DAY TRADE

5 conceitos fundamentais para análise técnica de ativos

Em uma série de aulas gratuitas, Pam Semezzato, analista da Rico Investimentos, ensina os princípios básicos para iniciar no day trade

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Identificar oportunidades de investimentos a partir da leitura de gráficos dos preços dos ativos negociados em bolsa.

Os princípios da análise técnica podem parecer complexos para quem está tendo contato com o assunto pela primeira vez, mas, segundo a analista Pam Semezzato, da Rico Investimentos, existem alguns conceitos-chave que podem facilitar muito a vida de quem está começando com as operações de trading.

Nesta semana, a analista organizou uma série de lives gratuitas sobre análise técnica para iniciantes, nas quais ela explica os conceitos fundamentais dessa escola. As aulas já estão disponíveis e podem ser acessadas neste link.

Confira agora 5 dos conceitos ensinados por Pam para te ajudar a entender melhor o universo da análise técnica de ativos:

1 – Candlestick

Os candlesticks nada mais são do que representações gráficas do comportamento do preço de um ativo em um determinado período de tempo. Segundo a analista, é por meio dos desenhos formados pelas variações dos candles que se torna possível analisar qual é o melhor ativo para se investir.

“Os candles são usados tanto para swing trade quanto para o day trade, sendo que a grande diferença está no período de tempo analisado. No swing trade, nós analisamos a variação dos preços ao longo dos dias, enquanto no day trade focamos mais nas variações dentro do mesmo pregão”, explica Pam.

2 – Fundos e Topos

Em uma das aulas da série, Pam explica que saber como identificar os “fundos” e os “topos” do gráfico é importante para conseguir traçar uma estratégia de operação na bolsa.

“Chamamos de ‘topo’ o ponto mais alto de um movimento de alta de um ativo e de ‘fundo’o ponto mais baixo de um movimento de baixa. Se em um determinado período de tempo um ativo atingiu uma mínima de R$ 10,00, por exemplo, e uma máxima de R$ 12,00, mas teve pequenas oscilações dentro dessa faixa de preço, nós consideraremos R$10,00 e R$12,00 como fundo e topo desse ativo. Basicamente, esses são os pontos onde o preço parou de cair e onde ele parou de subir”, afirma.

Segundo a analista, algumas plataformas já incluem um indicador chamado de “detector de topos e fundos”, que auxiliam o operador a identificar todas as vezes que o gráfico de preço registrar um topo e um fundo.

Contudo, ela afirma que é importante o operador entender o conceito para que ele consiga realizar as negociações de forma mais automática e independente. Para saber mais sobre os conceitos básicos da análise técnica, clique aqui.

3 – GAPS

“GAPS são os espaços em branco que se formam em alguns gráficos. Eles representam uma faixa de preço que não teve negociação e, geralmente, acontecem quando alguma coisa que pode afetar o preço do ativo no período em que não havia negociação na bolsa”, explica Pam.

Segundo ela, esses GAPS costumam aparecer em gráficos diários (GAP de abertura) e afetam mais as operações de swing trade.

“Funciona assim: antes de o mercado abrir, os operadores já começam a organizar várias ordens de venda (caso o acontecimento seja negativo para o ativo) e isso afeta o nível do preço logo no momento de abertura do mercado, formando um GAP.”

4 – Tendência

Identificar a tendência de comportamento do ativo em questão é de extrema importância na hora de realizar operações na bolsa de valores.

Para Pam, o conceito de tendência pode ser definido como “o movimento de zigue-zague dos preços, que, geralmente, acontecem em movimentos irregulares, mas persistentes na mesma direção”.

“Se você observa um gráfico e identifica que ele tem topos e fundos cada vez mais altos, então você pode afirmar que tem uma tendência de alta acontecendo alí”, exemplifica.

Ela também explica que pode acontecer de o gráfico apresentar uma laterização, que é quando o preço do ativo se comporta sem uma tendência definida.

“Um movimento lateral mostra pra gente que o mercado está indeciso sobre aquele ativo, ou seja, que as ordens de compra e venda quase se compensam, deixando o preço numa faixa praticamente constante”, afirma Pam.

5 – Stop

“O stop nada mais é do que uma ferramenta de segurança para o investidor. Com ele, você consegue entrar em uma operação sabendo o quanto você espera perder e ganhar”, explica a analista.

Segundo ela, o ideal é que o operador regule seus stops nos pontos de rompimento da tendência que conseguiu identificar no gráfico.

“É um ponto em que você assume que, a partir dele, sua análise não faz mais sentido, já que ele descaracteriza o que você estava observando como tendência anterior”, afirma.

Contudo, a analista reforça que ganhos passados não são garantia de retornos futuros e destaca a necessidade de ter gerenciamento de risco para operar nesse mercado.

”Não podemos nos esquecer que estamos falando de renda variável, ou seja, de operações que envolvem risco. O melhor a se fazer é aprender os fundamentos de trading primeiro para só depois começar a operar.”

As lives da Pam acontecem todos os dias, às 19h00 (horário de Brasília), até 4 de setembro e ficarão disponíveis apenas até dia 6. Para acessá-las gratuitamente, basta clicar aqui.