4 criptomoedas para ficar de olho em dezembro além do Bitcoin

Veja as criptomoedas no radar dos especialistas nesta reta final do ano

Lucas Gabriel Marins

Publicidade

Em meio ao otimismo com cenário macroeconômico, inflação, taxas de juros e ETFs (fundos de índice) nos Estados Unidos, o Bitcoin (BTC) mais do que dobrou em 2023 e ainda tem espaço para crescer no ano, segundo analistas. A criptomoeda, no entanto, não é a única com potencial.

Algumas altcoins (termo usado para se referir a qualquer cripto diferente do BTC) também aparecem nas sugestões de especialistas do mercado de ativos digitais para dezembro. Bom momento da indústria, parcerias, atualizações e movimentos técnicosde preço estão entre os motivos das escolhas.

Confira abaixo:

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Ethereum (ETH)

O Ether, segunda maior criptomoeda do mercado, foi uma das escolhas de Victoria Schulz, head da Transfero Prime, e de Daniel González, analista de criptomoedas da Bitso. Em outubro, o ativido digital saltou 12%. Na manhã desta sexta-feira (1º), é negociado a US$ 2.093, segundo o agregador CoinMarketCap.

“Em minha visão, o ano de 2024 será positivo para o projeto. Após o evento conhecido como ‘The Merge’ (atualização que mudou o modelo da rede do projeto cripto), tokens vêm sendo queimados (removidos), reduzindo a oferta e potencialmente impulsionando a valorização gradual do ativo”, disse Victoria.

Já González falou que optou pela criptomoeda porque grandes instituições financeiras como a BlackRock e Fidelity entraram com pedidos de ETFs de Ethereum, “demonstrando um interesse institucional crescente”. Além disso, falou, “a atividade crescente no setor de finanças descentralizadas (DeFi) na blockchain da cripto pode impulsionar a demanda por ETH”.

Continua depois da publicidade

Em 2023 até aqui, o Ethereum acumula alta de cerca de 74%, segundo dados do TradingView.

Desempenho do ETH em 2023 até 1º de dezembro (TradingView)

Arbitrum (ARB)

González também citou uma criptomoeda pouco conhecida chamada Arbitrum, que funciona como uma blockchain auxiliar do Ethereum. O projeto cripto, segundo ele, tem um staking (prática que paga juros para aqueles que mantêm tokens na rede) interessante.

“A comunidade Arbitrum aprovou uma proposta inicial para staking de tokens ARB, demonstrando governança comunitária ativa. As recompensas, financiadas pelo tesouro Arbitrum, podem ser distribuídas ao longo de 12 meses. O rendimento anual estimado para os stakers (aqueles que depositam os ativos no sistema) varia de 7,84% a 78,43%”.

No acumulado do ano, o token ARB registra queda de mais de 30%.

Desempenho do ARB em 2023 até 1º de dezembro (TradingView)

Solana (SOL)

A Solana passou por maus momentos em 2022 por causa da falência da exchange FTX (a criptomoeda tinha ligação com a corretora) e com congestionamentos e quedas da rede. Porém, o token se recuperou, disparou 500% no ano segundo dados do TradingView. E, segundo César Felix, gerente da corretora NovaDAX, ainda tem potencial para crescer.

“Hoje, a Solana não apresenta mais quedas, teve sua questão com a FTX resolvida (o que tirou o sono dos investidores por um tempo) e segue sendo uma excelente plataforma para a construção de aplicativos e outros tokens de forma escalável”, falou.

A SOL, disse Felix, também tem uma comunidade sólida, além de apresentar uma atividade de aplicativos descentralizados (DApps) em crescimento e diversas parcerias com grandes empresas, como a AWS, Google, Visa e Shopify.

Desempenho do SOL em 2023 até 1º de dezembro (TradingView)

Chainlink (LINK)

Felix também recomenda a Chainlink, que apareceu na lista de sugestões de novembro. Os motivos são as diversas atualizações de desenvolvimento de seu sistema, a adoção crescente do token e o aumento da demanda entre investidores profissionais.

“Apesar de recomendar cautela, vejo a possibilidade de o valor da cripto continuar subindo. O token possui uma boa estrutura, passa por aprimoramentos contínuos, é seguro e bem aceito pela comunidade DeFi”, falou.

Felix falou que uma das métricas para se analisar projetos em blockchain é o número de desenvolvedores ativos na rede. Segundo ele, tanto a Chainlink como a Solana realizaram recentemente hackathons (maratonas de programação), visando atrair programadores para dentro de seus respectivos ecossistemas.

Em 2023, a alta do LINK até este 1º de dezembro é de 165%.

Desempenho do LINK em 2023 até 1º de dezembro (TradingView)

Lucas Gabriel Marins

Jornalista colaborador do InfoMoney