3 FIIs de escritório “baratos” para investir, segundo o Itaú BBA   

As lajes corporativas estão com as cotas 30% descontadas em relação ao seus patrimônios, mas nem todos os fundos são oportunidade - é preciso ser criterioso

Monique Lima

Publicidade

Os fundos imobiliários (FIIs) de lajes corporativas, ou de escritórios, registram em 2024 uma das piores performances do setor. No acumulado do ano, o setor cai 2,2%. De modo geral, o desconto do preço dos ativos em relação aos seus patrimônios já chega em 30% — o que, em tese, representaria uma oportunidade de compra das cotas a valores mais atrativos.  

Mas, não é tão simples assim. Em relatório divulgado nesta segunda-feira (17), Larissa Nappo, analista do Itaú BBA, afirma que “os FIIs de lajes corporativas continuam descontados e seguem como teses de ganho de capital”. Tirando os que possuem exposição majoritária a ativos bons e bem localizados, “o curto prazo pode não ser tão animador.

 Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas 

Continua depois da publicidade

A analista destacou apenas três ativos como recomendação de compra neste momento. São eles:  

O mercado brasileiro se encontra em um momento desafiador para ativos de renda variável como um todo — vide a queda de 3% do Ibovespa em maio e de 11% no acumulado do ano — e, para os fundos imobiliários, a situação é um pouco pior.  

Nappo destaca que os patamares de alavancagem (dívidas em relação à receita) estão mais altos, os portfólios estão precisando de imóveis de qualidade e bem localizados, além do cenário macro do país ser negativo para o setor em a projeções de juros altos por mais tempo.  

Continua depois da publicidade

“A abertura na curva de juros tem uma grande influência (…), principalmente nos fundos que investem diretamente em imóveis. Isso porque eleva a rentabilidade dos títulos públicos”, escreve Nappo.  

A escolha dos três FIIs que tem recomendação de compra pelo Itaú BBA levou em consideração contexto de mercado, qualidade de portfólio, histórico e experiência do time da gestão, conforme o relatório.  

Marginal Pinheiros, São Paulo. (Foto: Bruno Mancini/ Pexels)

HGPO11 

O FII tem apenas dois imóveis sob gestão, o Ed. Metropolitan e o Ed. Platinum. Porém, Nappo avalia que são empreendimentos que atendem muito bem seus locatários e estão muito bem localizados. A taxa de vacância está na faixa de 3% — a média de lajes corporativas em São Paulo era de 21,4% no mesmo período.  

Continua depois da publicidade

Como pontos positivos, a analista também destaca o aumento recorrente nos preços de aluguel, com a média atual do portfólio na faixa de R$ 246, o metro quadrado, ante R$ 229 em novembro de 2022. “Além disso, são 31 locatários diferentes, que apresentam baixo risco de crédito para o fundo e uma diversificação interessante”, diz o relatório.  

O ponto negativo é a liquidez diária baixa, “que dificulta a montagem e/ou desmontagem de grandes posições”.  

Em 2024, o retorno do FII HGPO11 foi 12,3%, com um dividend yield de 6,6%. Seu valor patrimonial é de R$ 600 milhões, enquanto o valor de mercado está em R$ 541 milhões. O múltiplo de preço por valor patrimonial é de 0,89 vezes.  

Continua depois da publicidade

RBRP11 

O portfólio do RBRP11 é mais diverso, comporto por lajes corporativas, galpões logísticos (via RBRL11 — outro fundo da RBR) e cotas de outros fundos, com imóveis predominantemente em São Paulo, mas alguns no Rio de Janeiro. Essa variedade Nappo conta como um ponto positivo.  

Outra vantagem apontada pela analista é a possibilidade de ganho de capital com a venda de ativos maduros.  

Já os pontos de atenção estão relacionados a vacância e “ativos que deixam a desejar no quesito localização e qualidade técnica”. Um dos imóveis que tem impulsionado a taxa de vacância do fundo para 29% é o Ed. River One, localizado na Marginal Pinheiros — uma das áreas com maior taxa de vacância em São Paulo, de 43,5%.  

Continua depois da publicidade

No acumulado do ano, o retorno do RBRP11 foi de 8,3%, com um dividend yield de 13,9%. Seu valor patrimonial é de R$ 970 milhões, enquanto o valor de mercado está em R$ 690 milhões. O múltiplo de preço por valor patrimonial é de 0,71 vezes. 

TEPP11 

O Tellus Properties tem cinco imóveis (4 ativos classe B e 1 classe A). O relatório afirma que a qualidade dos ativos é inferior, mas “com potencial de aumento no valor médio de aluguel, visto que seus contratos estão defasados em relação às respectivas regiões”. Todos os imóveis estão em São Paulo e os inquilinos predominantes são dos setores de varejo e tecnologia.  

A vacância física do FII está zerada pelo 10º mês consecutivo, e o aluguel médio mensal está na faixa de R$ 85,88 o metro quadrado. Para Nappo, a gestão está entregando bons resultados e um dos focos é a revitalização dos ativos, com potencial impacto na atratividade e nos aluguéis.  

Entre as questões negativas estão a qualidade inferior dos imóveis e a concentração (25%) em um locatário em uma das lajes.  

No acumulado do ano, o retorno do TEPP11 foi de 5,9%, com um dividend yield de 15,4%. Seu valor patrimonial é de R$ 410 milhões, enquanto o valor de mercado está em R$ 390 milhões. O múltiplo de preço por valor patrimonial é de 0,94 vezes.