Mineração

Vale deve registrar prejuízo bilionário neste quarto trimestre

Companhia reconhece perda contábil de US$ 4,2 bilhões em ativos de níquel e alumínio e deve pressionar o resultado, apesar de não ter efeito-caixa

SÃO PAULO – Com uma baixa contábil bilionária e o fim de disputas judiciais, a Vale (VALE3, VALE5) deverá registrar prejuízo no último trimestre deste ano.

Segundo um analista que preferiu não se identificar, a projeção de lucro da companhia é de US$ 2,5 bilhões para estes três últimos meses. Considerando apenas o impacto da revisão nos ativos de alumínio e níquel, de US$ 4,2 bilhões, a mineradora já passaria para um prejuízo de US$ 1,7 bilhão.

No último trimestre de 2011 a empresa registrou um lucro líquido de R$ 4,6 bilhões. No terceiro trimestre deste ano, o ganho foi de US$ 1,7 bilhão.

Entretanto, o efeito desse reconhecimento é não-caixa, isso é, a empresa não deverá desembolsar dinheiro para lidar com essas perdas. O analista diz que o mercado de níquel está ruim e que Onça Puma, uma mina de níquel, já vinha com problemas há tempos. Por isso, acredita que o mercado não foi pego de surpresa com essa revisão.

Ele ainda lembra que a participação da Vale em ativos na Noruega ocorre via ações em bolsa, então é possível observar o desempenho diariamente e ter uma ideia melhor de como anda o mercado. “Não recomendo ao acionista vender por conta dessa notícia”, finaliza.

Questões tributárias preocupam mais
Para ele, merece mais atenção o fato da empresa reconhecer na véspera o fim de uma disputa envolvendo a cobrança de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) entre 2006 e 2012. A empresa havia provisionado R$ 135 milhões para os processos, mas concordou em pagar R$ 528 milhões, uma diferença de R$ 393 milhões.

“Parte dos impostos tem efeito-caixa e não estavam provisionados. É um problema maior [que a baixa contábil em ativos de alumínio e níquel], apesar de ser um valor menor”, complementa a fonte.

Ainda na quinta-feira a companhia encerrou uma disputa na Suíça envolvendo benefícios fiscais. Ela concordou em pagar algo em torno de US$ 233 milhões para dar fim aos processos, mas só havia provisionado US$ 37,5 milhões para essa disputa. Isso é, um desembolso de US$ 195,5 milhões.

Apesar desses dados levarem a crer que a companhia apresentará um prejuízo no último trimestre do ano, outra fonte que não quis se identificar diz que o número negativo pode afetar o humor do mercado, mas também abre espaço para uma interpretração de que a Vale está limpando os seus problemas.

PUBLICIDADE