Desinvestimento

Vale anunciará em semanas venda de parte de ativos de petróleo

Negócio faz parte da estratégia de se desfazer de empreendimentos que fogem às atividades principais de mineração da companhia

*Atualizado às 18h53

RIO DE JANEIRO/LONDRES – A Vale (VALE3;VALE5) vai anunciar dentro de algumas semanas a venda de parte de seus ativos de petróleo, disse nesta quinta-feira o presidente da companhia, Murilo Ferreira, durante uma coletiva de imprensa em Londres.

A mineradora informou no começo deste ano que colocaria à venda seus ativos de petróleo e gás, dentro de um plano de se desfazer de empreendimentos que fogem às suas atividades principais de mineração.

Mas, no final de junho, a empresa disse que decidiu remodelar a venda para manter blocos com potencial de gás com a justificativa de que precisa de energia própria para realizar suas atividades.

Localizados em áreas próximas a regiões consideradas santuários ecológicos, alguns dos blocos foram suspensos pela ANP (Agência Nacional do Petróleo) por falta de licença ambiental.

A Vale decidiu se desfazer de alguns ativos, reduzir investimentos e buscar parceiros para alguns projetos em meio à queda do preço do minério de ferro e a perspectivas de uma demanda mais fraca por seu principal produto.

Guiné
A Vale também deixou de lado projetos como Simandou, na Guiné, mas esclareceu que não abandonou o projeto definitivamente.

A falta de respostas do governo da Guiné sobre a participação na ferrovia e a indefinição política motivaram a suspensão do projeto de Simandou, disse Ferreira.

“Nós continuamos interessados em ficar na Guiné. Mas precisamos de transparência. Temos investidores e precisamos ser transparentes com eles”, afirmou.

PUBLICIDADE

Segundo ele, a Vale não saiu da Guiné, mas terminou a fase exploratória, precisando agora conhecer as regras do jogo para a próxima etapa.

Parceiros em Moçambique
O presidente da Vale informou ainda que há empresas interessadas em ter participação na ferrovia que a mineradora está implementando em Moçambique, onde desenvolve o gigantesco projeto de carvão Moatize.

Segundo Ferreira, produtores agrícolas que operam com cargas expressivas têm potencial para se tornarem parceiros da companhia.

A ferrovia possui cerca de 900 quilômetros, dos quais 210 km estão sendo construídos e outros cerca de 690 km são infraestrutura já existente que precisa de reforma.

Ferreira disse que a mineradora não tem pressa para vender participação na norueguesa Norsk Hydro, produtora de alumínio.

Logística
Ferreira disse ainda que a Vale espera ter uma decisão sobre tamanho de fatia à venda da sua empresa de logística nos dois primeiros meses de 2013.

A mineradora, que possui uma gigantesca estrutura de portos e ferrovias, dissera anteriormente que vai vender de 50 por cento a 70 por cento de uma empresa de logística criada para concentrar ativos de carga geral, que não deve incluir a logística de produtos de mineração.

A Vale espera a aprovação para entrada na China de seus mega navios, os chamados Valemax, em 2013, disse o diretor executivo de Ferrosos e Estratégia da companhia, José Carlos Martins, no mesmo evento.

PUBLICIDADE

(Reportagem de Sabrina Lorenzi e Jeb Blount, no Rio de Janeiro, e Clara Ferreira Marques, com reportagem adicional de Silvia Antonioli, em Londres)