De volta

Trump anuncia rede social própria com recurso de empresa gerida por deputado federal do Brasil

Luiz Philippe de Orleans e Bragança é diretor financeiro da Digital World Acquisition, empresa sócia do ex-presidente dos EUA

Por  Equipe InfoMoney

GONÇALVES (MG) – Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos, anunciou nesta quarta-feira (20) que já conta com os recursos necessários para abrir sua própria empresa de mídia de capital aberto.

A empresa sócia do novo empreendimento de Trump, a Digital World Acquisition, é gerida pelo deputado federal do Brasil, o conservador Luiz Philippe de Orleans e Bragança. O político é apontado como diretor financeiro da companhia.

Trump quer voltar a ditar os rumos do debate público no ambiente online, do qual está longe desde quando teve suas páginas pessoais banidas de Twitter e Facebook por ter insuflado a população a invadir o Congresso, em 6 de janeiro, para interromper a sessão que confirmaria a vitória de seu rival nas eleições, o atual presidente Joe Biden.

Trump, que tem mentido sobre os resultados da eleição de 2020 e, ao mesmo tempo, acusado a mídia tradicional de publicar notícias “fake” para desacreditá-lo, disse que a verdade será a balizadora de sua nova empresa.

Segundo o The New York Times, se o negócio de Trump prosperar, ele terá a mão quase US$ 300 milhões para gastar como quiser na Trump Media & Technology Group.

No mesmo comunicado em que anunciou o nome da empresa, o ex-presidente dos EUA também disse que vai criar uma nova rede social, a Truth Social, cuja finalidade será a de “criar um rival ao consórcio da mídia liberal e combater as companhias do Vale do Silício, as ditas ‘big tech’”.

A Digital World Acquisition, sócio de Trump no novo empreendimento, é uma companhia com propósito especial de aquisição, ou SPAC. De acordo com o portal Insider, o valor das ações da Digital World triplicou nesta quinta-feira (21).

O CEO da Digital World é Patrick F. Orlando, ex-funcionário de bancos de investimentos, como Deutsche Bank. Em documento público recente, Orlando revelou que é dono de quase 18% das ações da companhia.

“Vivemos num mundo em que o Talibã tem presença enorme no Twitter, mas seu presidente americano favorito foi silenciado”, disse Trump, em seu comunicado, prometendo publicar seu primeiro post em breve.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Neste mês, o ex-presidente ingressou na Justiça com um pedido para ter a sua conta restaurada no Twitter, rede social em que fazia comunicados e que vem sendo usada de vitrine por outros mandatários conservadores, como Jair Bolsonaro (sem partido).

Curso inédito “Os 7 Segredos da Prosperidade” reúne ensinamentos de qualidade de vida e saúde financeira. Faça sua pré-inscrição gratuita.

Compartilhe