Toyota receberá R$ 4 bilhões do governo do Japão para desenvolver baterias para veículos elétricos

Montadora japonesa busca verticalização da cadeia de suprimentos, em movimento semelhante ao da Stellantis e Volkswagen no Brasil

Mariana Amaro

A montadora japonesa Toyota chegou ao Brasil em 1958 e hoje mantém centenas de concessionárias pelo país. Foto: Divulgação

Publicidade

O governo do Japão dará cerca de 120 bilhões de ienes, o equivalente a R$ 4,1 bilhões ou US$ 854 milhões, para a Toyota (TMCO34). O montante servirá como apoio ao plano da montadora de investir na produção doméstica de baterias de íon de lítio usadas em veículos elétricos (EV). A informação foi publicada pelo jornal financeiro Nikkei.

No início desta semana, a montadora japonesa apresentou seus planos de adotar novas tecnologias e redesenhar suas fábricas, enviando sinais mais claros de sua intenção de tomar uma fatia maior do mercado de baterias elétricas.

A ajuda do governo acontece em um momento emblemático: ela chega à medida que o Japão e outros aliados dos Estados Unidos buscam cada vez mais proteger as cadeias de suprimentos longe da China, um importante player em baterias de veículos elétricos.

Continua depois da publicidade

Leia também: Stellantis, da Fiat e Jeep, investe em matérias-primas na América do Sul para garantir a produção de carros no futuro

Segundo o jornal japonês, o Ministério do Comércio do Japão designou baterias de armazenamento, incluindo baterias de automóveis, como cruciais para a segurança econômica e destinou 330 bilhões de ienes em seu segundo orçamento suplementar para apoiar seu fornecimento e desenvolvimento.

O governo pretende arcar com um terço das despesas de capital e metade do desenvolvimento tecnológico. No caso da Toyota, o valor total do projeto a ser subsidiado chega a 330 bilhões de ienes, disse o jornal. O mercado respondeu bem: nesta quinta-feira, as ações da companhia subiram 1,5% nas negociações.

Verticalização

Outras regiões do mundo também estão passando por um processo de verticalização na produção de carros elétricos. A Stellantis, fabricante de marcas como Fiat, Jeel e Peugeot, e a Volkswagen, por exemplo, anunciaram nesta semana um acordo para a compra de duas minas no Brasil. 

Pouco tempo atrás, em abril, a Sigma Lithium, mineradora canadense comandada pela brasileira Ana Cabral-Gardner e com mina no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, anunciou seu primeiro embarque de lítio. Em outubro de 2022, Cabral-Gardner contou a história da companhia ao podcast Do Zero ao Topo, do InfoMoney.

Mariana Amaro

Editora de Negócios do InfoMoney e apresentadora do podcast Do Zero ao Topo. Cobre negócios e inovação.