Stellantis, Volkswagen e Glencore compram duas minas da Appian no Brasil por US$ 1 bilhão

O acordo acontece em meio a uma onda de M&As, estimulada por empresas que apostam em um aumento da demanda por metais na corrida do carro elétrico

Mariana Amaro

(Foto: REUTERS/Gonzalo Fuentes)

Publicidade

A Stellantis, quarto maior grupo automotivo do mundo e fabricante de marcas como Fiat, Jeep e Peugeot, deu mais um passo na sua estratégia de verticalização das operações para a América do Sul. E, desta vez, o fez se unindo à concorrência.

Nesta segunda-feira (12), a Stellantis e a Volkswagen por meio da sua subsidiária de baterias PowerCo, se uniram à mineradora global Glencore para em apoiar um acordo de US$ 1 bilhão da SPAC ACG Acquisition Company para a compra de duas minas no Brasil, a Serrote, de cobre, localizada no agreste alagoano, e a Santa Rita, de sulfeto de níquel, que fica na Bahia.

A ACG é uma empresa de aquisição de propósito específico, ou SPAC, na sigla em inglês. As empresas desse tipo levantam dinheiro por meio de uma oferta pública inicial (IPO) e depois se fundem com uma companhia privada, tornando-a pública.

Continua depois da publicidade

A ACG é listada em Londres, comprará as minas de fundos de private equity assessorados pela gestora Appian Capital, que contratou os bancos Standard Chartered e Citigroup na venda. Com o negócio fechado, o concentrado de níquel será refinado nas instalações da Glencore na Europa Ocidental e na América do Norte, disse um comunicado da ACG, e o produto final será incorporado às baterias de veículos elétricos da Stellantis, PowerCo e outros fabricantes.

Leia também: Stellantis, da Fiat e Jeep, investe em matérias-primas na América do Sul para garantir a produção de carros no futuro

Onda de verticalização

O acordo ocorre em meio a uma onda de fusões e aquisições na mineração, estimulada em parte por investidores que apostam no aumento da demanda por metais necessários para a transição global de energia verde nos próximos anos.

Para o negócio sair, a Glencore investirá US$ 100 milhões em ações da ACG enquanto que a Stellantis e o fundo de investimento em mineração La Mancha Resource Capital fornecerão, cada um, um investimento de capital no mesmo valor. Já a PowerCo, da Volks, fará um pré-pagamento de US$ 100 milhões em níquel. “A PowerCo garante assim o aumento da produção de células a preços competitivos”, disse a Volkswagen em comunicado à imprensa.

Durante o processo, a ACG será renomeada para ACG Electric Metals e emitirá novas ações, tornando a Glencore, Stellantis e La Mancha donas de 51% e deixando 49% para o free float, informou Artem Volynets, presidente-executivo da ACG, à Reuters. O acordo “estabelecerá a ACG Electric Metals como fornecedora principal de metais críticos para a cadeia de valor ocidental de veículos elétricos”, disse a Volynets.

(Com informações da Agência Reuters)

Mariana Amaro

Editora de Negócios do InfoMoney e apresentadora do podcast Do Zero ao Topo. Cobre negócios e inovação.