Impactos da Covid-19

Testes de Covid em aeroportos ganham impulso ao redor do mundo

Aéreas estão descobrindo como dimensionar testes rápidos de pré-voo e PCR na esperança de facilitar viagens seguras e reduzir os requisitos de quarentena

(Getty Images)

(Bloomberg) — Mesmo com a corrida para aprovar e distribuir vacinas contra Covid-19 entrando em sua reta final, partes da indústria de viagens estão correndo para uma linha de chegada diferente: testes em aeroportos.

Em centros grandes e pequenos várias empresas estão descobrindo como dimensionar testes rápidos de pré-voo e PCR na esperança de facilitar viagens aéreas seguras e reduzir os requisitos de quarentena.

Os líderes desses esforços podem surpreender.

Nos EUA, é a XpressSpa, fornecedora de tratamentos rápidos para os pés a travesseiros de viagem. Opera atualmente em quatro grandes aeroportos dos EUA, com mais por vir em dezembro.

No Reino Unido, a Collinson – a controladora da rede de salas de espera do aeroporto Priority Pass – é a parceira de testes para o Heathrow em Londres e para a Virgin Atlantic, que recentemente começou a oferecer testes gratuitos para passageiros em voos para destinos caribenhos selecionados.

Este esforço se expandiu para três aeroportos adicionais do Reino Unido esta semana. A Collinson também anunciou uma parceria em meados de novembro com a American Airlines, British Airways e a aliança de companhias aéreas Oneworld que levará testes para voos selecionados.

“Passamos do conceito ao projeto piloto em 75 dias”, disse o CEO da XpressSpa, Doug Satzman, sobre os primeiros dias do esforço; a primeira instalação de teste de Covid-19 da empresa foi inaugurada no Aeroporto Internacional John F. Kennedy de Nova York em junho. Mas a expansão tem sido um trabalho lento.

“Operar em aeroportos é um ambiente difícil, altamente complexo e altamente regulamentado – apenas conseguir um eletricista para consertar algo em sua loja é uma espécie de dor”, explica Satzman.

“Tem sido uma jornada cansativa, não vou negar”, diz David Evans, co-CEO da Collinson, cuja empresa entrou no jogo dos testes devido ao seu conhecimento de operações aeroportuárias e sua história como fornecedora de seguro de viagem.

PUBLICIDADE

Embora seu esforço no Heathrow tenha crescido de testes de 25.000 passageiros por dia para testes de mais de 1 milhão, alguns desafios para aumentar a escala são difíceis de superar.

As dificuldades têm pouco a ver com metragem quadrada ou dinheiro. A criação de locais de teste em aeroportos, diz Evans, é uma proposta de baixo custo que pode preencher qualquer espaço vazio ou subutilizado, muitos dos quais existem atualmente nos aeroportos.

É a falta de uma política coordenada em torno dos requisitos de teste que impediu qualquer tipo de expansão global (ou mesmo em todo o país).

“Se eles implementassem um mandato de teste nacional para viagens aéreas, estaríamos lá para apoiar no maior número possível de aeroportos”, acrescenta Evans, que tem feito lobby ferozmente por essa abordagem para “fazer o mundo andar novamente”.

Tanto Satzman quanto Evans acham que seus esforços valerão a pena. Os dois executivos pensam que os testes em aeroportos serão uma necessidade de longo prazo, relevante pelo menos nos próximos dois anos e possivelmente por muito mais tempo.

Pressão de montagem

Para Satzman e Evans, fornecer testes em aeroportos é menos uma forma de compensar as perdas relacionadas à Covid do que um meio de colocar as viagens aéreas – e, portanto, seus negócios principais – de volta aos trilhos. Como diz Satzman: “Não é uma questão de muito dinheiro, é um serviço que você oferece para permitir que as pessoas voltem para que você possa ganhar dinheiro com seus outros negócios. ”

O mesmo pode ser dito sobre a Lufthansa, que em meados de novembro começou a desenvolver testes pré-voo grátis e rápidos para certos voos entre Munique e Hamburgo em colaboração com a empresa alemã de biotecnologia Centogene.

“Testes bem-sucedidos de voos inteiros podem ser a chave para revitalizar o tráfego aéreo internacional”, disse Christina Foerster, membro do conselho executivo do Grupo Lufthansa para clientes, TI e responsabilidade corporativa.

PUBLICIDADE

Existem dados para apoiar a ideia de que os testes podem restabelecer a confiança do consumidor. Em estudo publicado pela Global Business Travel Association (GBTA) em outubro, 76% dos entrevistados disseram que o teste rápido antes da partida – com os requisitos de quarentena dispensados para aqueles com resultado negativo – seria a melhor maneira de liberar as viagens internacionais.

A barreira é uma abordagem de colcha de retalhos para os requisitos de entrada nos níveis estadual, regional e internacional, e a falta de um sistema unificado para verificar os resultados. Em Hong Kong, por exemplo, os viajantes precisam apresentar “uma cópia física, carimbada e em papel dos resultados”, diz Evans, da Collinson; viajantes para outros destinos precisam apenas fazer login em um portal de saúde para que um agente os analise.

Satzman não vê muita mudança. Nos Estados Unidos, como em outros países, a política coordenada para testes em aeroportos exigiria uma cooperação sem precedentes entre agências tão abrangentes como a Federal Aviation Administration, os Centros para Controle e Prevenção de Doenças e o Departamento de Saúde e Serviços Humanos. Mas a demanda poderia crescer com passageiros que estão mais preocupados com a segurança.

Lento e constante

Contra todas essas probabilidades, os esforços de teste em aeroportos estão ganhando impulso, graças a alguns desenvolvimentos recentes. O primeiro é o recente aumento da disponibilidade de testes rápidos, o que permitiu que empresas como a XpressSpa pensassem um pouco mais além da caixa. A confiabilidade também é um fator positivo.

Depois, há o interesse das companhias aéreas, que estão vendo a ampla adoção de uma vacina como algo muito distante para atender às suas expectativas financeiras.

“As companhias aéreas são as que unem as pontes aéreas”, diz Satzman, referindo-se à participação conjunta de dois destinos em um requisito de teste pré-aprovado para entrada. “Eles nos veem como um parceiro estratégico porque somos os únicos que estarão em vários aeroportos.”

Como resultado, Satzman diz que a XpressSpa está negociando com quase todas as grandes empresas aéreas americanas, desde a implementação de um programa piloto que uma companhia aérea espera implantar em todos os seus aeroportos mais movimentados até o pacote do preço de um teste pré-voo obrigatório de Covid com passagens aéreas.

As próximas etapas, dizem Satzman e Evans, envolvem a criação de passaportes digitais por meio dos quais os resultados podem ser carregados e acessados por agentes de companhias aéreas e oficiais de controle de fronteira, conforme necessário.

PUBLICIDADE

Treinamento gratuito: André Moraes mostra como identificar operações com potencial de rentabilidade na Bolsa em série de 3 lives – assista!