Carros

Stellantis: o que a fusão de Fiat e Peugeot diz sobre estratégia, fábricas e presença das montadoras no Brasil

União da Fiat-Chrysler e da Peugeot reúne 14 marcas. Sinergias esperadas acumulam 5 bilhões de euros até 2024

SÃO PAULO — No último sábado (16), a Stellantis nasceu oficialmente. A fusão entre os grupos automotivos Fiat-Chrysler Automobiles (FCA) e Peugeot-Citroën (PSA) originou um grupo automotivo que começa já como a quarta maior empresa em volume de produção de veículos.

A Stellantis reunirá 14 marcas — como Alfa Romeo, Citroën, Dodge, Chrysler, Fiat, Jeep, Maserati, Peugeot e Ram. As vendas somadas do grupo acontecem em mais de 130 países, com um lucro operacional ajustado de 12 bilhões de euros em 2019.

O plano global da companhia é atuar tanto na defesa quanto no ataque. “Existe uma dimensão defensiva, baseada em desafios que temos de enfrentar. Mas também há um movimento ofensivo, assegurando que essa companhia tenha uma nova mentalidade”, afirmou Carlos Tavares em conferência virtual realizada na terça-feira (19). Tavares é CEO da Stellantis, depois de ter assumido o mesmo cargo na PSA. “Teremos um novo senso de competição, mais eficiência e mais conquistas de oportunidades. Seremos uma líder de mobilidade. (…) Usaremos nossa escala para a inovação, fazendo o que outras companhias não puderam.”

O InfoMoney acompanhou o primeiro pronunciamento da Stellantis e conversou com especialistas no mercado automotivo para entender a estratégia do novo grupo para o mundo, e especificamente para o Brasil. A situação das fábricas e empregos no país ainda está em discussão. Mas é esperado que consumidores de Citroën e Peugeot sejam beneficiados com a associação às marcas Fiat e Jeep.

Estratégia global: sinergia e aposta nos elétricos

Na conferência virtual, Tavares afirmou que a união de grupos automotivos poderá gerar uma redução total de custos de mais de 5 bilhões de euros, prevista para acontecer até 2024. 40% da redução de custos está concentrada em produtos — frente que envolve processos de manufatura, sistemas veiculares e investimentos em eletrificação de veículos, por exemplo.

Sinergias costumam levantar o alerta para demissões. A Stellantis tem cerca de 400 mil funcionários e a fusão pode atuar como um “escudo” para empregos, na visão de Tavares.

“Sem uma escala significativa, você não pode oferecer mobilidade limpa e segura. Os custos estão crescendo. Nessa situação, você pode aumentar preços e perder parte dos clientes, ou você pode reduzir margens e reestruturar a companhia. Há problemas sociais nos dois casos”, afirmou o CEO. “A fusão é um escudo contra essas questões nas duas companhias [FCA e PSA]. Podemos diluir custos em um volume maior de produção, garantindo acessibilidade de custo e permanência de consumidores.”

Em relatório divulgado ao mercado, o Bradesco BBI avaliou que a fusão entre FCA e PSA deve realmente elevar a escala de produção e gerar investimentos em tecnologia e engenharia. Uma dessas inovações já foi anunciada pela própria Stellantis: a dos carros elétricos.

Segundo a agência italiana de notícias Ansa, a Stellantis vai lançar 39 veículos do tipo até o fim de 2021. O InfoMoney já mostrou anteriormente como esse é um mercado visado tanto por empresas de tecnologia quanto pelas montadoras tradicionais. Não é para menos: segundo a revista britânica The Economist, três a cada 100 carros vendidos neste ano serão completamente elétricos ou híbridos. Essa participação de mercado deve chegar até 20% a 25% em 2030.

PUBLICIDADE

Regulações e inovações podem aumentar o custo de produção entre 20% e 40%, segundo cálculos da Stellantis. Novamente, a fusão seria uma oportunidade para eficiência. “Entendemos que os custos dessas novas tecnologias, como eletrificação, serão significativos e crescentes. Vemos o mérito da escala para diluir esses custos e tornar viáveis despesas com Capex [aquisição de bens de capital] e R&D [pesquisa e desenvolvimento]”, disse Tavares na conferência virtual. Outras frentes citadas pela Stellantis são compartilhamento de veículos, carros autônomos e conectividade por 5G.

A proposta de ser maior do que a soma de suas partes parece ter agradado o mercado financeiro. As ações da Stellantis começaram a ser negociadas na última segunda-feira (18) nas bolsas de valores de Paris e Milão. Na terça-feira (19), as ações da Stellantis começaram a ser negociadas na bolsa de valores de Nova York (NYSE) e fecharam o dia de estreia com alta de 11%.

Stellantis no Brasil: dúvida sobre demissões

Na conferência virtual, Tavares também mencionou a recente decisão da montadora americana Ford de fechar suas fábricas no Brasil. O CEO fez uma alusão ao Custo Brasil – uma expressão usada para reunir o conjunto de dificuldades que impedem o crescimento de negócios no país, como complexidades jurídicas, logísticas e tributárias.

“Essa é uma questão mais para governantes do que para montadoras. Existe uma hora em que você empilha todos os impostos e regulações e vê que a situação não é mais administrável. (…) Todos nós precisamos perceber que existe um limite para os ventos contrários que podemos enfrentar, vindos de stakeholders externos. Isso pode levar a decisões fortes, como a que vimos na última semana. (…) Foi um sinal de alerta para os governantes decidirem se querem ou não uma indústria automotiva”, afirmou Tavares.

Mesmo assim, o CEO afirmou que a Stellantis não se encontra nessa situação e que continuará assegurando autonomia de engenharia e produção na América Latina. “Nossas equipes têm feito um trabalho fantástico na região. Temos 17% de participação de mercado, e ela é lucrativa. Somos mais competitivos do que nossos concorrentes e criamos valor aos nossos stakeholders. Assim, criamos empregos e oferecemos boa mobilidade aos cidadãos.”

No Brasil, apenas as marcas Fiat e Jeep do grupo aparecem nas dez mais relevantes em volume de vendas para 2020. Segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), a Fiat teve market share de 16,5%, enquanto a Jeep ficou com 6,65% do mercado.

Segundo o Bradesco BBI, a diluição de custos com a fusão pode mitigar o risco de fechamento de fábricas no Brasil. Mas outra fonte do mercado ouvida pelo InfoMoney pondera que alguma planta deve ser encerrada no médio prazo, quando fábricas da FCA incorporarem parte da produção da PSA.

A Stellantis tem cinco fábricas na América Latina. Três estão no Brasil, sendo duas da FCA, em Betim (MG), Goiana (PE) e uma da PSA, em Porto Real (RJ). As outras duas estão na Argentina, uma do grupo italiano e outra do grupo francês. “A capacidade de produção total delas chega a 1,7 milhão de carros. Isso foi o que o Brasil vendeu em 11 meses em 2020, considerando automóveis e comerciais leves. Vai haver um enxugamento da operação para tornar tudo mais eficiente”, afirmou a mesma fonte. Segundo a Fenabrave, as marcas Fiat e Jeep (FCA) venderam 276.017 veículos no último ano. Já Citroën e Peugeot (PSA), 21.882.

PUBLICIDADE

Segundo o especialista no mercado automotivo, a Stellantis vai ter uma ociosidade muito grande com essas cinco fábricas. E a unidade do Rio de Janeiro é a que tem a menor relevância para a operação. Isso porque a fábrica possui capacidade produtiva para 250 mil carros por ano, mas a Citroën e Peugeot juntas venderam apenas essas 21,8 mil unidades em 2020.

“E esse número não deve crescer muito em 2021. Por que manter uma fábrica desse porte, se não vou usar? É mais fácil realocar essas cerca de 20 mil unidades na fábrica da PSA na Argentina, que tem capacidade produtiva de cerca de 70 mil carros por ano e o Brasil já importa de lá o Peugeot 208, o carro mais vendido da marca. Dá conta”, diz.

Milad Kalume Neto, diretor de novos negócios da consultoria automotiva Jato Dynamics, acredita em um meio-termo. Concorda que a quantidade de fábricas é alta, mas entende que o fechamento de uma delas ainda é incerto. “Mesmo com resultados não tão positivos, os franceses não abrirão mão da fábrica de Porto Real”, defende.

Presença melhora para consumidores de Citroën e Peugeot

Kalume Neto acredita que a fusão favorece a PSA. “A PSA vai contar com capilaridade e estrutura da FCA no Brasil, que é maior e mais representativa no mercado nacional. Vai ter troca de tecnologia e abrangência nas vendas”, diz.

Os compartilhamentos vão dos motores até estrutura de atendimento, venda e assistência técnica – uma boa notícia aos consumidores de carros da Peugeot. Segundo o Bradesco BBI, a PSA pode passar a ter de dividir concessionárias com a FCA. A estratégia elevaria de 196 para 640 o número de concessionárias com carros da Peugeot.

Em relação aos preços, Kalume Neto entende que os consumidores não vão encontrar os carros das marcas mais caros. “Nada deve mudar, por enquanto”. Mas pontuou que novos produtos devem ser lançados devido à fusão. “E, nesse caso, os preços vão variar conforme o porte dos carros. Ainda não temos como traçar tendências nesse sentido, será preciso esperar”, explica.

Onde Investir 2021
Baixe de graça o ebook e participe do evento com os melhores especialistas do mercado:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.