Lava Jato

Sede da Braskem também é alvo de busca e apreensão em SP; ação desaba 10%

Pela manhã, saiu a notícia de que a Polícia Federal prendeu o presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, maior acionista da petroquímica

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Uma leva de notícias negativas pressionam a petroquímica Braskem (BRKM5) no pregão desta sexta-feira, que vê suas ações baterem o menor patamar desde a última sessão de abril. Às 16h10 (horário de Brasília), os papéis da companhia registravam queda de 9,47%, a R$ 12,53, figurando próximos a mínima do dia (-9,9%) e como a maior baixa do Ibovespa. 

No começo do dia, saiu a notícia de que a Polícia Federal prendeu o presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, maior acionista da petroquímica. A empresa faz parte da lista de 23 companhias que tiveram bloqueio cautelar imposto pela Petrobras no fim de 2014.

Mais tarde, mais uma notícia negativa que fez os papéis acentuarem as perdas. O juiz Sérgio Moro afirmou frase de Paulo Roberto Costa em documento, que teria dito que a propina da Odebrecht foi de contrato com a Braskem.

Aprenda a investir na bolsa

E agora, para completar, sai a informação de que a sede da Braskem em São Paulo, na rua Lemos de Monteiro, no Butantã, também foi alvo de mandado judicial cumprido na manhã desta sexta-feira pela Operação Lava Jato. No local, os agentes apreenderam registros contábeis, ordens de pagamento, HDs, laptops, desktops, pen drives e arquivos eletrônicos.  

Essa é a terceira queda em quatro sessões da Braskem, período em que a ação caiu 11,3% na Bovespa. Assim como as ações, os títulos da petroquímica também caíam. A emissão de US$ 700 milhões em bônus perpétuos da empresa teve queda de R$ 1,57 hoje, maior recuo em um único dia em três meses, para R$ 91,88, segundo dados da Bloomberg. A emissão de US$ 400,2 milhões em títulos em circulação para 2020 teve queda de R$ 1,30, para R$ 104,61.

No caso da Odebrecht, os títulos da companhia caíram 4,5%, para R$ 83,28, após prisão de Marcelo Odebrecht. A emissão de US$ 850 milhões em títulos com vencimento em 2042 recuaram 2,5%, para R$ 83,60.