Automóveis

Recall do Onix Plus por incêndio começa dia 18

Os consumidores que já entregaram os veículos receberam modelos alugados pela GM ou garantia de ressarcimento de gastos

arrow_forwardMais sobre
Modelo azul escuro do Onix Plus Premier 2020 em frente ao pôr do sol
(Divulgação/Chevrolet)
Aprenda a investir na bolsa

A General Motors formalizou comunicado de recall para atualização do software de gerenciamento do motor do Onix Plus para evitar riscos de incêndio. A empresa estabeleceu o dia 18 como início da campanha, mas, nessa data, pretende começar a devolver, já com o serviço feito, modelos que foram recolhidos ao longo da semana e estão nas concessionárias.

O vice-presidente da GM, Marcos Munhoz, disse que, até a última quinta-feira, mais de 6 mil dos 7,4 mil donos de modelos que estavam nas ruas do País foram contatados e esse número aumentou ontem. “Colocamos uma equipe, incluindo os vendedores, para ligar para os clientes e solicitar a entrega dos carros e a maioria já está em nosso poder”, afirma. Segundo ele, quando começar na prática o recall, “em vez de levar o carro à concessionária o proprietário poderá ir retirá-lo”.

Os consumidores que já entregaram os veículos receberam modelos alugados pela GM como carro reserva ou garantia de ressarcimento de gastos com uso de transporte por aplicativo.

Quebra do motor

Aprenda a investir na bolsa

Quando teve conhecimento, no dia 31 do mês passado, de incêndio ocorrido em um Onix na estrada entre Maranhão e Piauí, Munhoz disse que um grupo de engenheiros da empresa foi ao local para avaliar o ocorrido. Nesse período, souberam da ocorrência de dois casos de quebra de motor (sem incêndio) na mesma região.

“Após análises, concluímos que havia um problema quando o carro é usado em condições específicas e passamos a trabalhar na atualização do software, assim como suspendemos as entregas e passamos a contatar os proprietários”, diz Munhoz.

A conclusão foi a de que o risco de quebra do motor e de incêndio pode ocorrer em situações de pressão, temperatura, umidade e composição do combustível. Segundo Munhoz, a combinação justifica o fato de os três casos terem ocorrido no Nordeste, onde o clima é mais quente e a maioria dos motoristas costuma abastecer o tanque do carro com gasolina. “Com etanol o risco não existe.”

Ele informa que o incêndio ocorrido alguns dias antes em um Onix no pátio da fábrica de Gravataí, no Rio Grande do Sul (onde é produzido) não tem nada a ver com o do Nordeste. “Foi um caso isolado, provavelmente por quebra no transporte e não é motivo de recall.”

A nova geração do Onix foi lançada no fim de setembro, na versão sedã (Plus) e a hatch está prevista para o fim do mês. Em ambos os casos, têm design totalmente renovado, mais tecnologia, conectividade, itens de segurança, mas pelo mesmo preço das versões anteriores.

O Onix é o automóvel mais vendido no País há quatro anos. Em 2018 foram 210 mil unidades, 105 mil a mais que o segundo colocado, o Hyundai HB20. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

PUBLICIDADE