Paralisação de caminhoneiros na Coreia do Sul ameaça cadeia automotiva

Movimento deu início a manifestações em todo o país na manhã desta quinta-feira, inclusive em um porto em Ulsan, que abriga a principal fábrica da Hyundai

Equipe InfoMoney

Caminhoneiros sindicalizados durante manifestação, enquanto iniciam greve em frente ao centro de transporte em Uiwang, sul de Seul, Coreia do Sul. 24/11/2022. Yonhap/via REUTERS

Publicidade

Caminhoneiros sindicalizados iniciaram nesta quinta-feira sua segunda grande greve em menos de seis meses, ameaçando interromper o fornecimento de manufatura e combustível para as indústrias, da automotiva à petroquímica, na décima maior economia do mundo. O movimento, similar ao acontecido no Brasil, em 2018, se passa, agora, na Coreia do Sul.

As demandas, inclusive, são semelhantes. Com o aumento do preço do combustível, os caminhoneiros pedem ao governo que torne permanente um sistema de pagamento mínimo conhecido como Taxa de Frete Seguro, que deve expirar até o final do ano.

O governo disse que estenderá o esquema por três anos, mas rejeitou outras demandas sindicais. Em junho, uma greve não violenta de oito dias atrasou os embarques de cargas na Coreia do Sul, custando mais de 1,2 bilhão de dólares em perdas de produção e entregas não realizadas.

Continua depois da publicidade

O sindicato que organiza o movimento deu início a 16 manifestações em todo o país na manhã desta quinta-feira, inclusive em um porto em Ulsan, que abriga a principal fábrica da Hyundai.

O sindicato estimou que cerca de 22 mil pessoas estão participando dos protestos, enquanto o Ministério dos Transportes disse que cerca de 9.600 pessoas compareceram, e não houve confrontos com a polícia.

O Sindicato Solidário dos Caminhoneiros de Carga (CTSU), principal organizador dos protestos, alertou que a greve poderá interromper o fornecimento de petróleo nas principais refinarias e o transporte nos principais portos e fábricas.

O tráfego de contêineres nos portos caiu para 40% em comparação com os níveis normais desde o início da paralisação, disse o Ministério dos Transportes nesta quinta-feira, mas acrescentou que nenhum grande dano foi relatado até agora, uma vez que as empresas movimentaram os carregamentos preventivamente.

Empresas como a Hyundai Steel, petroquímicas e uma fabricante de baterias disseram à Reuters que, como a greve era esperada, volumes de contratos urgentes foram enviados com antecedência, assim como a preparação de matérias-primas necessárias. No entanto, os limites de espaço de armazenamento e logística podem ser um problema caso a greve se estenda.

(Com informações da Reuters)