Bancos na pior

Itaú é acusado de exclusividade em consignado e Bradesco fecha na mínima do ano

No setor, apenas as ações do BB se salvaram na Bolsa hoje - único que não está na lista do Cade sobre processo anticoncorrenciais no consignado e entre os possíveis compradores do HSBC Brasil

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Os bancos amargaram outro pregão negativo na Bovespa entre rumores sobre compra do HSBC e exclusividade em crédito consignado. Entre as grandes instituições, somente o Banco do Brasil (BBAS3) se salvou na sessão desta terça-feira (9) – único que não está na lista do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) sobre processo anticoncorrenciais no consignado e entre os possíveis compradores da subsidiária brasileira do HSBC. 

Por outro lado, o Itaú Unibanco (ITUB4) viu suas ações caírem 0,64%, a R$ 32,80, fechando bem próximas da mínima do dia. O banco foi acusado hoje de exclusividade em crédito consignado, tema que levou o Cade a abrir investigação contra seis instituições financeiras. As demais são: Banco de Brasília, que informou que não teve acesso ao referido processo administrativo, Bradesco (BBDC4, R$ 27,28 -1,09%), Santander (SANB11, R$ 15,55, -0,64%), Banrisul (BRSR6, R$ 9,60, +0,95%) e Caixa Econômica Federal. 

O Itaú, no entanto, negou nesta noite qualquer conduta desse tipo, esclarecendo que suas práticas em relação à lei concorrencial são absolutamente legais e éticas. Bradesco, Santander, Banrisul e Caixa ainda não se manifestaram. Com a queda de hoje, os papéis preferenciais do Bradesco fecharam na mínima do ano – atingindo o menor patamar desde dezembro de 2014.

Aprenda a investir na bolsa

O processo apura a exigência de exclusividade na oferta do consignado em contratos firmados com instituições públicas. O Cade averigua se isso pode prejudicar os consumidores, que ficam impedidos de contratar com bancos que ofereçam melhores condições, como juros e prazos mais atrativos. A investigação começou em 2012, após um termo de ajuste de conduta firmado entre Banco do Brasil e Cade, pelo qual a instituição financeira prometeu acabar com exigência de exclusividade no consignado. Na ocasião, o BB alegou que outros bancos estariam fazendo a mesma coisa.

Além dessa questão, no radar dos bancos ainda está a venda do HSBC Brasil e rumores sobre seu possível comprador. O mais provável até o momento é o Bradesco, que teria oferecido até R$ 14 bilhões pela subsidiária brasileira do HSBC. 

Hoje, o HSBC confirmou que vai vender boa parte de suas operações no Brasil, assim como na Turquia, após meses de especulação. Em jogo no Brasil, estão quase R$ 168 bilhões em ativos e um patrimônio líquido de R$ 9,7 bilhões.