Itália proíbe ChatGPT e inicia investigação sobre questões de privacidade

OpenAI será investigada por suspeita de violação das regras de coleta de dados pelo aplicativo de inteligência artificial

Reuters

(Getty Images)

Publicidade

Por Elvira Pollina e Supantha Mukherjee

MILÃO/ESTOCOLMO (Reuters) – A agência de proteção de dados da Itália bloqueou temporariamente nesta sexta-feira o chatbot ChatGPT, da OpenAI, e iniciou uma investigação a partir de uma suspeita de violação das regras de coleta de dados pelo aplicativo de inteligência artificial.

A agência Garante acusou o ChatGPT, apoiado pela Microsoft, de não verificar a idade de seus usuários, que precisam ter pelo menos 13 anos ou mais.

Continua depois da publicidade

O ChatGPT tem “ausência de qualquer base legal que justifique a recolha e armazenamento massivo de dados pessoais” para “treinar” o chatbot, disse a Garante. A OpenAI tem 20 dias para responder com soluções, caso contrário, corre o risco de receber uma multa equivalente a até 4% de sua receita anual global.

A OpenAI não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O ChatGPT ainda respondia a perguntas feitas na plataforma por usuários na Itália nesta sexta-feira.

Continua depois da publicidade

A empresa foi informada da decisão na manhã desta sexta-feira (no horário local) e seria materialmente impossível interromper o acesso na Itália no mesmo dia, mas a expectativa é de que eles concluam (o bloqueio) até sábado, disse um porta-voz do órgão de proteção.

“Se eles ignorarem a proibição, a autoridade pode impor multas”, disse o porta-voz.

A Itália, que restringiu provisoriamente o uso pelo ChatGPT de dados pessoais de usuários domésticos, tornou-se o primeiro país ocidental a tomar medidas contra um chatbot alimentado por inteligência artificial.

Continua depois da publicidade

O chatbot também não está disponível na China continental, Hong Kong, Irã e Rússia e em partes da África onde os residentes não podem criar contas no OpenAI.

O rápido desenvolvimento da tecnologia tem chamado a atenção de parlamentares de vários países. Muitos especialistas dizem que novas regulações são necessárias para administrar a IA devido ao seu potencial impacto na segurança nacional, nos empregos e na educação.

A Comissão Europeia, que está debatendo a Lei de IA da União Europeia, pode não estar inclinada a proibir a IA, tuítou a vice-presidente-executiva da Comissão Europeia, Margrethe Vestager.

Continua depois da publicidade

A CE não respondeu a um pedido de comentário.

(Reportagem de Elvira Pollina em Milão, Supantha Mukherjee em Estocolmo, Crispian Balmer em Roma e Foo Yun Chee em Bruxelas)