Getninjas (NINJ3) faz demissão em massa de 20% dos funcionários

Em seu último balanço, plataforma de contratação de serviços reportou um prejuízo superior a R$ 2 milhões 

Wesley Santana

Eduardo L'Hotellier, fundador e CEO do GetNinjas: "Nesse último ano, teve muito empreendedor de unicórnio que postergou rodada porque não queria marcar para baixo sua avaliação" (Divulgação)

Publicidade

A plataforma de serviços freelancer Getninjas (NINJ3) anunciou, nesta quinta-feira (18), um corte de 20% no quadro de funcionários. A empresa não divulgou quantos colaboradores foram impactados, mas estima-se um número próximo de 40 pessoas, com base no último balanço divulgado.

Entre as áreas afetadas, estão marketing, produtos, tecnologia e atendimento. A diretoria também passou por reestruturação, com a dispensa de parte dos executivos, informação que foi confirmada pela Getninjas, sem citar quais foram os diretores afastados.

Segundo nota enviada ao InfoMoney, a decisão pela demissão em massa é uma estratégia para responder ao cenário macroeconômico, com alta de juros e inflação, além do crédito limitado.

Continua depois da publicidade

“A recente movimentação e reestruturação da companhia tem como objetivo adequar as despesas e preparar o negócio para o futuro, mantendo seu crescimento com sustentabilidade”, informou em comunicado.

A empresa garantiu que o corte de funcionários não deve afetar as operacoes e que impactados terão extensão de três meses nos benefícios de saúde.

Getninjas na bolsa

A Getninjas chegou à bolsa de valores em 2021, no mesmo movimento que levou outras startups a se tornarem empresas públicas. Desde então, as ações da companhia sofrem com uma baixa de quase 85%, conforme desempenho desta quinta-feira.

No último balanço trimestral, a plataforma listada na bolsa de valores apresentou um prejuízo de R$ 2,1 milhões. Embora este resultado tenha sido positivo em relação aos reportes anteriores, ainda deixou aceso um alerta para os investidores.

Apesar do cenário desafiador, em entrevistas recentes, o CEO Eduardo L’Hotellier destacou que a alta de juros favorece o caixa da companhia, que não tem dívida líquida. De acordo com ele, os juros têm gerado maiores retornos às aplicações financeiras.