Novos tempos

Futuro das viagens na era Covid promete grandes mudanças

Um terço de todos os empregos em turismo estão em risco

covid-19 coronavírus avião viagens turismo aviação
(Getty Images)
Aprenda a investir na bolsa

(Bloomberg) — O choque causado pela estagnação do setor de viagens, que representa 10% da economia global, pode se espalhar para os cantos mais remotos do mundo. Cada vez que uma pessoa faz uma viagem, desencadeia um efeito dominó de consumo que direciona dólares para companhias aéreas, hotéis, restaurantes, taxistas, artesãos, guias turísticos e lojistas, para citar alguns.

Ao todo, a indústria do turismo emprega 300 milhões de pessoas; especialmente nos países em desenvolvimento, esses empregos podem representar caminhos para sair da pobreza e oportunidades de preservação cultural. Agora, um terço de todos os empregos em turismo estão em risco, companhias aéreas globais dizem que precisam de até US$ 200 bilhões em ajuda, e despesas reduzidas com viagens, tanto em negócios quanto em lazer, colocam o setor de US$ 1,7 trilhão em risco.

Embora medidas de quarentena variem de país para país e dentro de cada país, um aspecto da retomada é consistente em todos os outros: as viagens internacionais estarão entre os últimos setores a se recuperar. Como será o setor de viagens no curto prazo e como evoluirá no futuro? Essas são perguntas que afetam a todos nós.

Aprenda a investir na bolsa

Números

  • US$ 314 bilhões: redução projetada das receitas de companhias aéreas em 2020.
  • 100 mil: número médio diário de passageiros registrados pelo departamento de segurança TSA nos aeroportos dos EUA em abril de 2020, queda de 96% em relação ao ano anterior.
  • 86%: porcentagem de pessoas que adiariam as viagens aéreas mesmo após o coronavírus ter sido controlado em larga escala.

Por que isso importa

Talvez não saibamos bem quando será seguro fazer viagens internacionais novamente ou quanto tempo depois os países começarão a suspender restrições de viagens. O que sabemos é que as viagens serão fundamentalmente diferentes do outro lado.

Companhias aéreas, aeroportos, linhas de cruzeiros e hotéis precisarão desenvolver e aderir às novas diretrizes sobre distanciamento social, limpeza e serviço de alimentação. A transparência, que não foi o ponto mais forte do setor – pense em apólices de seguro de viagem ineficazes e regras enigmáticas de proteção de passageiros -, se tornará essencial. E as empresas precisarão alterar os preços para acomodar menos passageiros ao mesmo tempo, o que pode deixar suas férias de verão mais caras, se é que serão possíveis.

Observemos os mais ricos para definir o tom para o futuro das viagens não essenciais. Eles podem contornar muitos dos pontos problemáticos pós-pandemia, seja por meio da aviação privada ou de compras em hotéis que impedem a necessidade de espaço compartilhado. As soluções que o dinheiro dessas pessoas pode comprar podem ser escalonáveis e seus pedidos podem refletir o amplo sentimento do consumidor, embora até os mais ricos estejam limitados a viagens domésticas no futuro próximo.

Até que isso mude, todos podemos sonhar acordado. De acordo com os Institutos Nacionais de Saúde, o simples planejamento de uma viagem pode provocar uma alegria incomensurável. E entrar em um espaço de aventura pode nos lembrar do poder das viagens: não apenas para gerar bilhões de dólares por dia, mas também para apoiar nossas empresas de bairro, forjar conexões culturais e nos aproximar daqueles que amamos.

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

PUBLICIDADE