Eve, da Embraer (EMBR3), dá mais um ‘passo’ para colocar ‘carro voador’ no ar

Os eVTOLs vão funcionar como um helicóptero 100% elétrico, para deslocamentos em áreas urbanas; empresas e startups disputam a dianteira no setor

Equipe InfoMoney

Publicidade

A Eve Air Mobility, subsidiária de mobilidade urbana da Embraer (EMBR3), anunciou na segunda-feira (15) que conclui os testes em túnel de vento da sua aeronave elétrica de decolagem e pouso vertical (conhecida pela sigla em inglês eVTOL) na Suíça.

Os eVTOLs vão funcionar como um helicóptero 100% elétrico, para deslocamentos em áreas urbanas, e há no momento uma “corrida” de diversas empresas e startups para desenvolvê-los e produzi-los em larga escala. A Eve é um desses players e diz que sua aeronave terá autonomia de 100 km (60 milhas) e entrará em operação em 2026.

Ela surgiu como um spin-off da Embraer e abriu capital na Nyse (New York Stock Exchange) em maio de 2022. Ela foi listada em Nova York com os tickers EVEX e EVEXW, após a fusão com um SPAC (uma “empresa de cheque em branco”) chamada Zanite.

Continua depois da publicidade

Já a Embraer é a terceira maior fabricante de aeronaves comerciais do mundo, atrás apenas da Airbus e Boeing (BOEI34), e líder no segmento até 150 passageiros. A empresa brasileira também atua na aviação executiva (com os jatos Phenom e ‎Praetor) e no segmento de defesa e segurança (com o cargueiro C-390 Millennium e a avião de ataque leve e treinamento A-29 Super Tucano).

Túnel de vento

Segundo a Eve, os testes foram feitos em um túnel de vento perto de Lucerna, na Suíça, com um modelo em escala do eVTOL, para validar as características e a eficiência do veículo. A empresa diz também que o testes permitiram “monitorar o fluxo de ar sobre e ao redor do veículo, além de suas partes individuais”, além da avaliação da “elevação, eficiência, qualidades e desempenho do voo” do modelo.

O principal objetivo foi investigar e validar como se comportariam em voo os componentes do eVTOL, como fuselagem, rotores, asa, cauda e outras superfícies. “O teste em túnel de vento proporciona uma visão única do comportamento aerodinâmico de geometria complexa e oferece um alto nível de validação das características do design do veículo”, disse a empresa em um comunicado.

Para o vice-presidente de tecnologia da Eve, Luiz Valentini, a conclusão dos testes “representa um marco de engenharia fundamental no desenvolvimento do nosso eVTOL”. “As informações que obtivemos durante esta fase do desenvolvimento nos ajudam a aperfeiçoar ainda mais as soluções técnicas de nosso eVTOL antes de nos comprometermos com as ferramentas de produção e construção dos protótipos”.

Testes com eVTOL da Eve, subsidiária da Embraer (EMBR3), em em túnel de vento na Suíça (Foto: Divulgação/Eve)