Semicondutores

Escassez de chips: fabricantes globais veem melhora em oferta mundial

Gargalo na produção e distribuição de semicondutores deve ir até 2023, mas fabricantes já observam sinais de melhora

Por  Equipe InfoMoney

A crise no fornecimento de semicondutores que causa atrasos na fabricação toda sorte de produtos — de geladeiras e carros até cartões de crédito, deve persistir até 2023.  A informação é do estudo Perspectivas do setor global de semicondutores, realizado pela KPMG.

Algumas indústrias, contudo, já têm observado sinais de melhora.

A automobilística Hyundai Motors, a fabricante de eletrodomésticos Electrolux e a fornecedora da indústria automobilística ABB reportaram uma melhora significativa na oferta de chips.

A montadora sul-coreana, por exemplo, registrou seu melhor lucro trimestral em oito anos, impulsionada pela retomada do ritmo nas fábricas e planeja, inclusive, aumentar a produção de veículos no segundo semestre.

A ABB, ao divulgar seu balanço no segundo trimestre, frisou que os gargalos de produção e distribuição de semicondutores estavam diminuindo e previu um crescimento de receita de dois dígitos nos próximos três meses. O presidente-executivo da companhia, Bjorn Rosengren, afirmou à Reuters que os compromissos de fornecedores estão significativamente melhores, mas alertou que os problemas não acabaram.

Providências da indústria

A Volkswagen, por exemplo, fechou uma parceria com a STMicroelectronics NV para desenvolver semicondutores especificamente desenhados para as suas necessidades para garantir o fornecimento do componente para os próximos anos.

(Com informações da Reuters)

Conheça as futuras gigantes da Bolsa e acelere sua liberdade financeira em um curso gratuito: assista!

Compartilhe