Juros negativos

Demissões em bancos se aproximam de 60 mil, a maioria na Europa

Taxas de juros negativas e a desaceleração da economia levam instituições financeiras a intensificar as reduções de custo

arrow_forwardMais sobre

(Bloomberg) — Os cortes de empregos anunciados por bancos este ano se aproximam de 60.000, quase todos na Europa, onde taxas de juros negativas e a desaceleração da economia levam instituições financeiras, como o alemão Commerzbank, a intensificar as reduções de custo.

O Commerzbank disse na semana passada que planeja eliminar 4.300 posições, aprofundando uma reestruturação iniciada há três anos. O número eleva o total divulgado este ano para cerca de 58.200, com cerca de 90% dessas demissões na Europa.

Os números destacam a fraqueza do setor financeiro da Europa, que enfrenta um mercado bancário fragmentado, desaquecimento econômico e juros negativos que corroem a receita dos empréstimos há meia década. As expectativas de que os juros voltariam a subir foram frustradas este ano, quando a guerra comercial entre Estados Unidos e China afetou as exportações da região e forçou o Banco Central Europeu a reduzir as taxas ainda mais abaixo de zero.

Os bancos da Alemanha, que dependem mais das exportações do que a maior parte das grandes economias, estão no topo da lista de demissões. O Deutsche Bank planeja demitir 18.000 funcionários até 2022, ao mesmo tempo em deixa grande parte de seus negócios de banco de investimento. Bancos da Espanha, Reino Unido e França também reduzem milhares de postos para sustentar a rentabilidade.

Nem tudo é sombrio no setor bancário europeu, pois as empresas estão abrindo vagas para atualizar tecnologias e melhorar as políticas de conformidade. O Commerzbank, que empregava 41.486 pessoas no fim do ano passado, disse que planeja abrir 2.000 vagas em “áreas estratégicas” como parte de sua reestruturação.

Proteja seu dinheiro investindo. Abra uma conta gratuita na XP.