Do Zero ao Topo especial

Como criar e gerir um negócio 100% digital, segundo Luciana Seabra

Adaptação das fórmulas de marketing digital e investimento em pessoas são dois pontos fundamentais, segundo a empreendedora

SÃO PAULO – Quando Luciana Seabra fundou a casa de análise Spiti, em novembro de 2019, o plano era crescer o negócio no ambiente digital. Mesmo assim, era impossível imaginar que o cenário virtual seria necessário até para as tarefas mais essenciais da empresa em 2020.

“A gente tinha acabado de estruturar a nossa equipe, íamos estrear o escritório  e estávamos para fazer o nosso maior lançamento [um curso de investimentos] quando a pandemia chegou”, afirmou Seabra em live no Instagram do Do Zero ao Topo — marca de empreendedorismo do InfoMoney.

A saída para continuar operando foi adaptar todo o material que já tinham a um novo momento de mercado. “Ficamos em dúvida se dava para lançar um curso em plena pandemia. Lançamos e em março tivemos o nosso melhor mês até então”, contou.

A capacidade de adaptação, segundo Seabra, é um dos principais pilares para conseguir crescer uma empresa de conteúdo na área digital. “O cliente está muito contaminado já com as fórmulas prontas”, afirmou, em referência ao marketing digital.

“É preciso adaptar os modelos prontos de marketing digital. Ao invés de ficar enrolando a pessoa uma semana para entregar o conteúdo, a gente entrega tudo. Se ela quiser continuar é porque gostou muito e quer mais. Se ela não quiser continuar, a gente entregou conteúdo para ela e mostrou nossa marca”, disse.

Outro ponto fundamental no negócio digital é formar uma equipe robusta nos bastidores. Além dos analistas, que sempre estão em contato com o público, a Spiti tem profissionais nas áreas de CRM, vídeo, design, tecnologia, marketing, dados, e copywriting  —  totalizando 40 pessoas.

Confira a entrevista completa no Instagram do Do Zero ao Topo.