Plano de negócios

Como a confusão da Petrobras fez um dia potencialmente negativo virar um dia de alta

Ontem, mercado reagiu negativamente à notícia de que corte de investimentos seria de 25% e hoje, as ações subiram em meio a novos rumores sobre a estatal; mercado segue cauteloso

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Considerado um dos principais catalisadores da companhia, o plano de negócios da Petrobras (PETR3;PETR4) segue gerando ruídos no mercado, mesmo sem ainda ter uma data oficial para ser divulgado. 

Ontem, as ações da estatal estavam subindo, mas viraram para queda nos minutos finais do pregão e fecharam em baixa superior a 1% em meio à notícia do Broadcast de que o corte de investimentos seria de cerca de 25%, abaixo do esperado pelo mercado. Em vez dos US$ 220,4 bilhões previstos inicialmente no prazo de cinco anos, como definido no plano de negócios para o período de 2014 a 2018, o investimento ficaria na casa dos US$ 165 bilhões.

Conforme destaca em relatório o Itaú BBA, se confirmado, os números da capex poderiam levar a uma reação negativa do mercado; porém, os analistas ainda veem os números com cautela, uma vez que os US$ 165 bilhões poderiam ser relacionados ao plano completo da empresa. “Nós, portanto, permanecem cautelosos sobre a notícia, dado que o capex para os projetos aprovados poderia ser menor”. Assim, a expectativa é de que hoje fosse um dia negativo para o mercado. 

Aprenda a investir na bolsa

Contudo, hoje, uma outra notícia animou os mercados e fizeram as ações ON fecharem em alta 1,88%, a R$ 14,62, enquanto os papéis PN subiram 1,77%, a R$ 13,20 nesta quarta-feira. Isso porque, segundo a própria Agência Estado, o corte no plano de investimentos da Petrobras para o período de 2015 a 2019 ficará próximo a 40%, com o novo orçamento em torno dos US$ 130 bilhões. Diante das dificuldades financeiras da petroleira, a nova gestão preferiu adotar uma redução drástica do orçamento, em linha com o que espera o mercado.

A proposta será analisada pelo conselho de administração na sexta-feira, mas é possível que o colegiado não chegue a uma conclusão e a divulgação do valor seja adiada. Os membros do colegiado podem precisar de mais de um encontro para chegar a um número definitivo.

E, em comunicado nesta quarta-feira, a Petrobras afirmou que o Plano de Negócios e Gestão 2015-2019 ainda está em elaboração. “Fatos julgados relevantes serão oportunamente comunicados ao mercado”, limitou-se a dizer. Na nota, a estatal não determinou uma data para a divulgação do plano, amplamente esperado pelo mercado.

Com isso, o estrategista-chefe da XP Investimentos, Celson Plácido, destaca que as expectativas pelo plano de negócios continua – e as possibilidades seguem em aberto. “Se o corte dos investimentos for de 40%, será positivo para as ações; se for de 25%, será negativo”. Assim, o mercado segue na expectativa pelo plano, sem uma pista concreta sobre o que está por vir. 

“Foi o que ocorreu ontem, com rumores de cortes menores do que o esperado. Além disso, os investidores devem se atentar em relação ao desinvestimentos e também em relação aos preços de derivados aqui no Brasil, se virá alguma metodologia de preços, o que seria positivo para as ações. Mas lembrando, que a cada 10% de aumento na gasolina, o impacto é de 0,37 ponto percentual no IPCA. Aliado a isso, se vier uma mudança no modelo de partilha, que a presidente Dilma vem negando, isso seria positivo para as ações”, afirma Plácido.

Sem pistas mesmo
E, perguntado, o diretor de gás e energia da estatal, Hugo Repsold, evitou comentar o andamento e as premissas do Plano de Negócios e Gestão da Petrobras para os próximos cinco anos.

PUBLICIDADE

“Estamos a dois dias da reunião, qualquer coisa que eu falar aqui vai estragar”, afirmou o diretor, após participar da abertura do Seminário sobre Gás Natural, promovido pelo Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP). Questionado sobre se haveria alguma decisão do colegiado, o executivo afirmou apenas que “vai haver reunião do conselho”. 

Entre tantos rumores desencontrados, o que resta é aguardar pelos próximos capítulos para saber se a Petrobras irá surpreender os mercados – ou se irá desanimar.