Investimento

Com custo inicial de R$ 1,9 mil, microfranquia vira saída para o desemprego; veja as 10 maiores redes do Brasil

As unidades franqueadas com investimento inicial de até R$ 90 mil ganharam seu próprio ranking, elaborado pela Associação Brasileira de Franchising (ABF)

Por  Mariana Fonseca -

SÃO PAULO – Um segmento foi destacado pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), em meio ao faturamento de R$ 167,2 bilhões do setor de franquias em 2020 – o das microfranquias.

Não é para menos: o aumento nos índices de desemprego na pandemia se relaciona com a procura de unidades franqueadas que pedem investimento inicial de até R$ 90 mil. São cerca de 13,4 milhões de pessoas desempregadas no país, segundo dados do quarto trimestre de 2020 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua/IBGE).

“Sem dúvida nenhuma, o desemprego acelerou a procura por microfranquias e franquias de forma geral. Não é apenas uma alternativa de investimento, mas de carreira e de vida”, afirmou Marcelo Cherto, da consultoria em franchising Grupo Cherto, em coletiva realizada pela ABF nesta terça-feira (3) sobre os resultados do setor. “Existem franquias de diversos portes e investimentos, e nem todos poderão comprar uma franquia. Mas, se 0,5% deles optarem por uma franquia, já representaria um grande crescimento por conta do volume de desempregados no país.”

O investimento inicial para abrir uma microfranquia pode partir de apenas R$ 1,9 mil, como no caso de algumas microfranquias online, segundo dados da ABF. Para comparar, o investimento em uma grande franquia, como a do McDonald’s – que inclusive foi a segunda maior rede franqueadora de 2020 – é de R$ 2,5 milhões, de acordo com a ABF.

Com várias opções de microfranquias que exigem aportes baixos, de menos de R$ 10 mil, especialistas explicam que é comum que pessoas que acabaram de perder o emprego usem a rescisão ou o FGTS para abrir uma franquia e criar uma nova fonte de renda.

Leia mais
Conheça as 50 maiores redes de franquias do Brasil; O Boticário lidera, seguido por McDonald’s e Cacau Show

Outro perfil de compradores de microfranquias é o de empreendedores. “Vemos pequenos empresários que foram obrigados a fechar seus negócios ou perceberam que estão em setores pouco promissores. Eles fazem a migração para outros ramos por meio da aquisição de uma microfranquia ou franquia”, completa Cherto.

As unidades franqueadas que pedem investimento inicial de até R$ 90 mil inclusive ganharam seu próprio ranking da ABF, que elencou as dez maiores redes em número de unidades. Nesta primeira edição, o segmento de alimentação lidera por meio da rede Pit Stop Skol, com 1.866 unidades franqueadas. Kumon (serviços educacionais) aparece na segunda posição, com 1.585 operações de franquia. Já a Acqio (serviços e outros negócios) é a terceira colocada, com 1.036 unidades.

Já a Touti (saúde, beleza e bem-Estar) apresentou a maior variação em número de unidades entre as microfranquias, com expansão de 100% na comparação entre 2019 e 2020. A marca fechou contrato com a Rede Assaí para a abertura de unidades em seus mercados.

Veja as 10 maiores redes de microfranquias do Brasil:

Posição no rankingMarcaNúmero de unidadesVariação (2020/2019)
1Pit Stop Skol1.866Não informado
2Kumon1.5851%
3Acqio1.036-39%
4Ceopag3572%
5Ceofood3311%
6Maria Brasileira31752%
7Touti292100%
8Lava e Leva Lavanderia2760%
9Solarprime263Não informado
10É Seguro Corretora196Não informado

Quer conhecer o modelo de gestão que fez a XP e outras das maiores empresas do mundo crescerem exponencialmente? Participe do evento gratuito Jornada Rumo ao Topo, com Guilherme Benchimol.

Compartilhe