Recuperação

Com a abertura de alguns mercados, Uber vê aumento de viagens em horários de happy hour

Empresa viu uma redução de 80% das viagens devido à pandemia de coronavírus

Mão segurando um celular com o logo da Uber centralizado na foto. Um carro passa no fundo da imagem
(Shutterstock)

SÃO PAULO – A Uber disse nesta quarta-feira (03) que vem registrando um aumento gradual nos pedidos de viagem, à medida que vários países flexibilizam as restrições impostas para combater o novo coronavírus.

O principal negócio da companhia sofreu reduções de 80% em abril por conta da pandemia. Já em maio, as solicitações de viagens caíram cerca de 70% em relação ao ano anterior, segundo informou o CEO Dara Khosrowshahi, em uma conferência com analistas do Bank of America.

No entanto, os passageiros que voltaram a utilizar os seus serviços não são os que a Uber esperava inicialmente. O executivo afirmou que a companhia apostava que a ida e volta das pessoas ao trabalho seria o principal motivo de uso, responsável por impulsionar os pedidos de viagens, mas a realidade tem sido outra.

PUBLICIDADE

Hong Kong, que tem sido uma das regiões mais bem-sucedidas do mundo em conter o surto de coronavírus, a Uber já recuperou mais de 80% das perdas causadas ​​pelas medidas de distanciamento social, informou Khosrowshahi.

“Na verdade, o retorno à vida normal é bastante amplo. Em muitos mercados, estamos vendo que a alta das corridas acontece em horários de socialização, em que geralmente acontecem happy hours ou festas. As pessoas querem sair de novo, com segurança, e querem retomar suas vidas sociais o mais rápido possível.”

A Lyft, principal rival da Uber, também sinalizou uma recuperação no número de passageiros na terça-feira, dizendo que os passeios em sua plataforma aumentaram 26% em maio em relação ao mês anterior.

O executivo da Uber disse que o segmento de passeios está melhorando semana a semana, reforçando também que o aumento dos pedidos registrados no Uber Eats no primeiro trimestre não mostrou sinais de desaceleração em maio – diminuindo as preocupações dos investidores que temiam que o segmento poderia ter uma queda brusca com a flexibilização da quarentena.

No primeiro trimestre, o Eats teve um aumento de 52% nas receitas brutas, indo para US$ 4,6 bilhões, diante dos US$ 3,07 bilhões alcançados no mesmo período do ano passado. Durante a divulgação do balanço do primeiro trimestre, a empresa já se mostrava otimista com a retomada dos negócios diante da abertura das atividades econômicas em alguns países.

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.