Privatização minguou?

Cesp tem privatização adiada e desaba na bolsa: oportunidade ou cilada?

Analistas veem upside de até 104% para o papel se privatização correr conforme o planejado

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Com o adiamento da venda do controle acionário da Cesp para 19 de outubro, as ações da companhia despencaram 7,74% no pregão da última segunda-feira (1). Nesta terça, viam alta de 2,33% nos últimos minutos do pregão após chegarem a cair 0,4% – enquanto o Ibovespa disparava 3,9%. Para analistas, o movimento abre oportunidade de compra – mesmo que, em última instância, cresça a chance de cancelamento completo da privatização.

Francisco Navarrete, analista do Bradesco BBI, calcula upside (valorização) de 104% para o papel – ou seja, o preço mais que dobraria, para R$ 28 – no cenário que considera mais viável: o banco vê probabilidade de 75% de que a privatização seja concluída mesmo após esse adiamento. Em outro relatório, analistas do BTG Pactual falam em R$ 25 por ação, preço próximo à estimativa do Credit Suisse (R$ 25 por ação).

Considerando um cenário “espelhado”, ou seja, apenas 25% de chance de privatização antes do término da concessão (2028), a empresa ainda é considerada um bom investimento pelo mesmo analista, com upside mais tímido de 53%.

Aprenda a investir na bolsa

Mesmo os mais pessimistas acreditam que o papel da companhia já está precificado para o caso da manutenção de status de estatal. O Credit diz que o preço justo do papel é de R$12,61 e também o BTG estima manutenção do preço atual neste segundo caso.

Por que o leilão foi adiado

A explicação oficial para a decisão de adiamento do leilão, que estava agendado para esta terça, foi o ambiente macroeconômico – não houve menção ao número de participantes do pleito. O mercado avalia, porém, que há duas frentes principais que geram falta de interesse pela aquisição: a hidrologia atual, com R$ 8,8 bilhões de passivos não provisionados; e o risco político de manter o processo em meio ao cenário instável das eleições.

Engie, CTG e Patria teriam retirado interesse, de acordo com o Valor, restando a Squadra. Esta última estaria procurando um parceiro financeiro e operacional para o negócio. “Adiar o leilão para o dia 19 de outubro, ainda antes do 2º turno das eleições, não ajudará os investidores que querem evitar as incertezas das eleições”, escreveram analistas do BTG.

Invista com corretagem ZERO. Abra uma conta na Clear.

Ao mesmo tempo, caso o leilão seja adiado para depois das eleições, a liquidação da transação ocorrerá em 2019. Isso criaria um risco novo: que o próximo governo assinasse um novo contrato de concessão, diminuindo a atratividade da empresa.

Eleição pode inviabilizar a venda?

Embora não se saiba quem será o próximo governador de São Paulo, tudo indica que a gestão a tomar posse em 2019 provavelmente manteria o plano de privatização.

PUBLICIDADE

Os dois candidatos melhor colocados nas pesquisas estaduais são João Doria (PSDB) e Paulo Skaf (MDB). O primeiro já deixou claro, em diversas ocasiões, ser a favor da privatização de estatais; já o segundo advoga por tarifas mais baixas e apoiou a MP579 para reduzir o preço da eletricidade em 2012.

Eletrobras

Em momento semelhante do processo de privatização está a Eletrobras. Com atrasos, existe a chance de as 6 distribuidoras que foram colocadas à venda serem negociadas apenas no ano que vem ou nem saírem do guarda-chuva do estado, a depender da composição nova do Senado no ano que vem. Por um lado, o risco de a privatização não acontecer é ainda maior; por outro, o ganho potencial do negócio fechado também é superior.