Caso SVB: grandes empresas tiveram cobertura para bilhões em depósitos não segurados

Segundo documentos oficiais, o próprio Silicon Valley Bank e seu controlador foram listados como tendo US$ 4,6 bilhões combinados em depósitos

Bloomberg

Silicon Valley Bank SVB (Foto: Justin Sullivan/Getty Images)

Publicidade

(Bloomberg) — Quando os reguladores federais intervieram para proteger todos os depósitos do Silicon Valley Bank, eles salvaram milhares de pequenas startups de tecnologia e impediram o que poderia ter sido um golpe catastrófico para um setor que dependia fortemente do banco.

Mas a decisão de garantir todas as contas acima do limite do seguro de depósito federal de $ 250.000 também ajudou empresas maiores que não corriam nenhum perigo real. A Sequoia Capital, a empresa de capital de risco mais proeminente do mundo, conseguiu cobrir o US$ 1 bilhão que tinha com o credor. A Kanzhun Ltd., uma empresa de tecnologia com sede em Pequim que administra o aplicativo de recrutamento móvel Boss Zhipin, recebeu um apoio de mais de US$ 900 milhões.

Um documento da Federal Deposit Insurance Corp., que a agência disse ter divulgado por engano e sem edição, em resposta a uma solicitação da Lei de Liberdade de Informação da Bloomberg News, fornece o desenho mais detalhado até agora dos grandes clientes do banco.

Continua depois da publicidade

O FDIC, que tem vendido partes do banco desde sua falência, pediu que a Bloomberg destruísse e não compartilhasse a lista de depositantes, dizendo que a agência pretendia reter “parcialmente” alguns detalhes do documento “porque incluía informações comerciais ou financeiras confidenciais ”, de acordo com uma carta de um advogado do regulador. A agência posteriormente se recusou a comentar sobre o conteúdo das informações no documento.

A decisão dos reguladores dos EUA de declarar uma “exceção de risco sistêmico” e repor todos os depositantes do Silicon Valley Bank veio depois de um fim de semana tenso enquanto os fundadores de empresas de tecnologia digeriam o colapso do SVB na sexta-feira, 10 de março. O presidente Joe Biden descreveu a solução como uma que “ protege os trabalhadores americanos e as pequenas empresas e mantém nosso sistema financeiro seguro.”

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, repassou a resposta do governo – incluindo o apoio a todos os depositantes – conforme necessário. “As famílias americanas dependem dos bancos para financiar suas casas, investir em educação e melhorar seus padrões de vida. As empresas tomam empréstimos dessas instituições para iniciar novas empresas e expandir as existentes”, disse ela em uma conferência do setor na semana seguinte, antes de discutir a intervenção.

Mas as decisões que as agências governamentais, incluindo o FDIC, tomaram em alguns dias frenéticos após a falência do SVB foram consideradas controversas. Alguns críticos disseram que cobrir todos os depositantes de maneira integral no credor e no Signature Bank, que faliu em 12 de março, criou um risco moral. Agora, um debate acirrado também está ocorrendo sobre se o limite de seguro precisa ser aumentado para as empresas.

O ex-vice-presidente Mike Pence argumentou que apoiar todos os depositantes equivalia a um resgate, uma representação contra a qual o governo Biden se opôs vigorosamente. Pence criticou a decisão do governo de garantir todos os depósitos, em parte porque a medida cobriria as empresas chinesas que faziam negócios com o banco.

Em maio, o FDIC propôs taxar os maiores bancos em bilhões de dólares para reabastecer o fundo de seguro de depósitos do governo dos EUA depois que ele foi usado para garantir depósitos acima do limite de US$ 250.000. Na época, o regulador estimou que a decisão de cobrir todos os depositantes do SVB e Signature custou ao fundo cerca de US$ 15,8 bilhões.

O presidente do FDIC, Martin Gruenberg, disse anteriormente que no SVB a garantia para depositantes não segurados cobria pequenas e médias empresas, bem como aquelas com saldos muito grandes, e que as 10 principais contas de depositantes do banco detinham um total de US$ 13,3 bilhões.

O novo documento ressalta que, além de atender a uma legião de startups e micro e pequenas empresas, o SVB era um banco de referência para gigantes da indústria de tecnologia, incluindo alguns que mantiveram seus relacionamentos com o banco confidenciais.

–Com assistência de Steven Church e Stacy-Marie Ishmael.

© 2023 Bloomberg LP