Basileia

Bradesco terá forte queda do índice de Basileia se comprar HSBC, diz UBS

Para o Bradesco atingir o piso do índice de Basileia, que deve ser de 11% no Brasil, teria que ter uma queda de R$ 6,7 bilhões no capital

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Bradesco (BBDC3;BBDC4) pode enfrentar forte queda do capital, se sua oferta pela unidade brasileira do HSBC sair vencedora, afirmaram analistas do UBS nesta segunda-feira.

Em reportagens, o serviço online do jornal O Estado de S. Paulo e a Bloomberg afirmaram que o Bradesco fez o maior lance entre os potenciais compradores do HSBC no Brasil. A Bloomberg, citando fontes, disse nesta segunda-feira que o Bradesco pode pagar até 14 bilhões de reais em dinheiro pelo HSBC Brasil.

Bradesco e HSBC não quiseram comentar.

Aprenda a investir na bolsa

Se o Bradesco pagasse a transação com caixa e os órgãos reguladores aprovassem o negócio rapidamente, o chamado capital de nível 1 do Bradesco poderia cair para 10,1 por cento, ante 12,1 por cento em março, os analistas liderados por Philip Finch escreveram em nota a clientes.

O índice de Basileia, medida da força financeira a reserva de capital em relação a ativos ponderados pelo risco de um banco, deve ter piso de 11 por cento no Brasil. O capital de nível 1, composto sobretudo pelo patrimônio líquido, é o principal componente de Basileia.

Para o Bradesco atingir esse piso teria que ter uma queda de 6,7 bilhões de reais no capital. Se a aprovação demorar mais, no cenário mais provável, o Bradesco poderia acumular lucro, que o ajudaria a cobrir grande parte desse déficit, calculou Finch.

Se a compra fosse aprovada no fim do ano, o déficit de capital cairia para 5,4 bilhões de reais. O Bradesco deve pagar 1,6 bilhão de reais em dividendos trimestrais este ano, disseram os analistas.

O HSBC deve escolher a quem vender a unidade ainda este mês, com a venda deverá sendo concluída em agosto, três fontes com conhecimento do processo, disse à Reuters em maio. Os lances não devem superar o valor contábil, estimado em cerca de 10 bilhões de reais, as mesmas fontes disseram.

As notícias de venda do HSBC no país iminente vêm após o presidente-executivo do HSBC, Stuart Gulliver, afirmar que Brasil, México, Turquia e Estados Unidos são mercados potenciais para vendas. No ano passado, o HSBC Brasil teve prejuízo líquido de 441 milhões de reais.

PUBLICIDADE

Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil tiveram acesso a documentos preliminares da venda e apresentaram propostas. Itaú e Santander Brasil fizeram ofertas menores do que a do Bradesco, disse o Estado de S. Paulo.