Pior crise da história

Boeing vai suspender produção 737 Max a partir de janeiro

A medida deve repercutir na cadeia de suprimentos da gigante aeroespacial e na economia em geral

Boeing 737 Max
(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A Boeing vai suspender a produção de seus aviões 737 Max a partir de janeiro de 2020, um passo drástico depois que a Administração Federal de Aviação (FAA) confirmou que a revisão dos aviões continuaria no próximo ano.

A decisão da Boeing piora uma das crises mais graves da história da fabricante, e vem meses depois de dois acidentes fatais em um período de cinco meses com a sua aeronave mais vendida até então.

A medida deve repercutir na cadeia de suprimentos da gigante aeroespacial e na economia em geral. E também apresenta outros problemas para as companhias aéreas, que perderam milhões de dólares e cancelaram milhares de voos sem os aviões da empresa.

Aprenda a investir na bolsa

A Boeing disse que não planeja demitir ou dispensar trabalhadores na fábrica de Renton, em Washington, onde o 737 Max é feito durante essa pausa na produção. Alguns dos 12.000 trabalhadores serão temporariamente transferidos.

Na semana passada, a Boeing reconheceu que a revisão dos aviões pelos órgãos reguladores – fundamentada desde março, após dois acidentes que mataram 346 pessoas – duraria até o ano seguinte, mais tempo do que estava esperando.

Por quanto tempo a Boeing manterá sua linha de produção do 737 Max parada não ficou imediatamente claro, porque dependerá de quando os reguladores liberarem o avião para voar novamente.

As companhias aéreas dos EUA retiraram os aviões de suas rotas até março pelo menos. A American Airlines semana passada disse que não espera pilotar os aviões antes de abril.

“Sabemos que o processo de aprovação do retorno do 737 Max e de determinação de requisitos de treinamento apropriados deve ser extraordinariamente completos e robustos, para garantir que nossos reguladores, clientes e o público voador confiem nas atualizações do 737 Max”, disse a Boeing em um comunicado.

“A FAA e as autoridades reguladoras globais determinam o cronograma para a certificação e o retorno ao serviço. Continuamos totalmente comprometidos em apoiar esse processo. É nosso dever garantir que todos os requisitos sejam cumpridos e que todas as perguntas de nossos reguladores sejam respondidas. ”

Aviso estava dado

PUBLICIDADE

A Boeing havia alertado repetidamente os investidores de que poderia cortar ou suspender ainda mais a produção dos aviões se a proibição de vôos durasse mais do que o esperado, como ocorreu.

A fabricante reduziu a produção em 20% em abril para 42 por mês depois que os reguladores ordenaram que as companhias aéreas parassem de operar os aviões.

Quase 400 aviões Max estavam em frotas globais quando os reguladores proibiram a circulação das aeronaves em meados de março.

Desde então, a Boeing produziu cerca de 400 outros aviões, que estão estacionados em suas instalações no estado de Washington e em outros lugares.

Com alguns aviões parados pelo décimo mês consecutivo, a Boeing foi impedida de entregar aeronaves aos clientes, e a empresa disse que interromper a produção ajudaria a entregar os aviões armazenados quando tive autorização para voltar a operar.

As ações da Boeing, que caíram mais de 4% durante o pregão da última segunda-feira (16), seguem em queda de 1,53% no pre-market desta terça-feira (17).

A empresa também informou um dividendo trimestral, mantendo-se em US$ 2,055 por ação.

Fornecedores menores ficam particularmente vulneráveis ​​à pausa na produção.  Os papéis da Spirit AeroSystems, empresa que fabrica fuselagens para o 737 Max, caíram mais de 4% no aftermarket da última segunda-feira (16).

PUBLICIDADE

Invista seu dinheiro para viajar para onde quiser. Abra uma conta na XP – é de graça.