Após 2 acidentes

Boeing teme êxodo de profissionais em meio à crise do 737 Max

A Boeing espera que os voos com o 737 Max sejam liberados em outubro, mas a suspensão pode se estender. A falta de mão de obra complica o cenário

(Bloomberg) — A Boeing espera que os voos com o 737 Max sejam liberados em outubro. Mas a fabricante de aviões também planeja como responder a um cenário muito pior: uma suspensão que se estenda por mais meses.

Um fator que complica a situação é a falta de mão de obra nos Estados Unidos, a mais acentuada em meio século.

Com mecânicos e engenheiros experientes cada vez mais difíceis de contratar, a Boeing agora considera uma alternativa que seria usada como último recurso – uma paralisação temporária da fábrica – para preservar sua força de trabalho.

A empresa com sede em Chicago deseja evitar uma debandada de profissionais experientes na América do Norte enquanto a empresa se recupera da crise do 737 Max.

Esse é o risco se um grande número de profissionais altamente qualificados das 600 empresas nos EUA que fabricam componentes para o jato mudarem de emprego em um momento em que a taxa de desemprego está em recorde de baixa.

A empresa avalia se deve suspender a fabricação do Max por um período curto e claramente definido, segundo pessoas a par do assunto. A empresa acredita que essa abordagem economizaria dinheiro e diminuiria a probabilidade de provocar demissões generalizadas do que impor outra desaceleração da produção.

Executivos da Boeing não discutiram detalhes de como administrariam a paralisação, como pagamento de trabalhadores. Mas a ideia é que profissionais cobiçados devem preferir a certeza de uma parada cirúrgica a um período de produção mais lenta indefinido que possa levar a demissões.

Invista seu dinheiro com quem conhece do assunto. Abra sua conta na XP Investimentos – é grátis

“Enquanto trabalhamos para apoiar o retorno seguro do 737 Max ao serviço comercial, continuamos a avaliar nossos planos de produção e investimos na saúde de nossa força de trabalho, sistema de produção e cadeia de suprimentos”, disse a Boeing em comunicado.

PUBLICIDADE

“O mercado de trabalhadores qualificados é uma das muitas considerações em nossos processos de planejamento de cenários. Continuaremos a apoiar os empregos da indústria aeroespacial, que são de vital importância para os EUA e para a economia global.”