Conteúdo Patrocinado
Oferecido por Vitru Educação

Após combinação, Vitru Educação se consolida como líder de EAD no Brasil

Negociação com a Unicesumar foi aprovada sem restrições pelo Cade e cria grupo de 800 mil alunos

Por  MoneyLab -

Depois de oito meses, a combinação de negócios entre a Vitru Educação e a Unicesumar foi aprovada pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), sem restrições. A operação marca a criação do maior grupo educacional especializado em EAD (Educação a Distância) do Brasil, com uma participação de mercado superior a 20%.

Após o investimento de R$ 3,2 bilhões, a Vitru, agora, é detentora de duas marcas, Uniasselvi e Unicesumar. Os demonstrativos de dezembro de 2021 indicavam que a união resultaria em 721 mil alunos matriculados (dos quais 97% no ensino digital) e uma receita líquida pro-forma de R$ 1,4 bilhão.

Carlos Freitas, CFO da Vitru, afirma que a junção das duas marcas é um passo importante para a democratização da educação no Brasil. “Levamos o ensino digital de qualidade por todo o Brasil. Já são mais de 800 mil alunos matriculados e 2 mil polos espalhados pelo país”.

O executivo explica que, apesar da sinergia entre os negócios, as marcas seguirão separadas. Por conta de públicos diferentes, a Vitru optou por não unificar as operações.

“Na Uniasselvi temos um modelo único, que é híbrido, onde o ensino digital conta com um encontro por semana com um tutor exclusivo em cada turma, presencial ou on-line”.  Na Unicesumar, o modelo EAD é 100% digital mas com apoio do polo local e com cursos com indicadores junto ao MEC entre os melhores do Brasil. Ambas as marcas têm notas máximas nos processos de credenciamento do Ministério da Educação.

Além disso, a Unicesumar também possui ensino de modalidade presencial. A instituição é conhecida por seu curso de Medicina, que garante 23% do faturamento do grupo, com 348 vagas (fora FIES e PROUNI) disponíveis em dois campi.

Uma combinação de negócios planejada

O desejo de fazer uma combinação de negócios com a Unicesumar já era antigo. Quando a Vitru Educação abriu capital na Bolsa de Valores de Nova York, a Nasdaq, em setembro de 2020, os planos já incluíam o flerte com a universidade paranaense.

“Até 2020, nosso crescimento havia sido todo orgânico e, com a abertura de capital, pudemos mudar a estratégia e apostar na combinação de negócios com um player muito admirado no mercado”, diz Freitas.

O casamento entre as marcas já vem sendo estruturado há meses e deve mostrar as sinergias em breve, inclusive uma complementaridade geográfica. A consultoria Bain & Company foi responsável por mapear os principais pontos e a integração está em estágio inicial.

Mercado de ensino digital em franco crescimento

“O mercado de EAD cresceu 21% ao ano entre 2016 e 2020. Nós crescemos acima dessa taxa e aumentamos (as duas marcas) a participação de mercado em 9,5 pontos porcentuais no período, chegando a cerca de 20% de market share atualmente”, diz Freitas.

Para ele, a EAD é uma tendência que ganhou fôlego extra com a pandemia. “Assim como as pessoas trabalham mais on-line e compram mais on-line, elas atualmente estão muito mais propendas a estudar no ambiente digital. Isso não vai mudar pós-pandemia. Há uma clara mudança secular no setor de ensino superior, com a migração constante do interesse de nosso cliente por um ensino digital de qualidade”, afirma.

Planos de expansão não param

A aquisição da Unicesumar não é um ponto isolado na estratégia de crescimento da Vitru Educação. O CFO garante que a expansão dos negócios passa por novas compras, mas o foco é outro.

“A meta é aumentar o mercado endereçável. Temos uma ótima posição em EAD e as conversas agora são sobre players de segmentos complementares, como cursos preparatórios, curso para o primeiro emprego, curso livre, pós-graduação e curso técnico. São frentes muito segmentadas no país”, diz o CFO.

A ideia, segundo o executivo, é ter uma jornada completa de ensino, sempre focando na EAD.  “Seguiremos sem perder a missão de democratizar o acesso à educação de qualidade no Brasil”, finaliza Freitas.

Compartilhe