UE adotará tarifas de até 37,6% sobre importações de veículos elétricos da China

As tarifas provisórias da Comissão Europeia, entre 17,4% e 37,6%, sem datação retroativa, destinam-se a evitar o que a sua presidente, Ursula von der Leyen, disse ser uma ameaça de inundação de veículos elétricos baratos construídos com subsídios estatais

Reuters

Publicidade

BRUXELAS (Reuters) – A União Europeia vai impor tarifas de até 37,6% a partir de sexta-feira sobre as importações de veículos elétricos (EV, na sigla em inglês) fabricados na China, disseram autoridades da bloco, aumentando as tensões com Pequim no maior caso comercial de Bruxelas até agora.

Há, no entanto, um período de quatro meses durante o qual as tarifas são provisórias e espera-se que as negociações intensas entre os dois lados continuem, enquanto Pequim ameaça uma ampla retaliação.

As tarifas provisórias da Comissão Europeia, entre 17,4% e 37,6%, sem datação retroativa, destinam-se a evitar o que a sua presidente, Ursula von der Leyen, disse ser uma ameaça de inundação de veículos elétricos baratos construídos com subsídios estatais.

Continua depois da publicidade

As taxas, expostas num documento de 208 páginas publicado nesta quinta-feira, são quase exatamente as mesmas anunciadas pela Comissão em 12 de junho. Foram feitos ligeiros ajustes depois de as empresas terem identificado pequenos erros de cálculo na divulgação inicial.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita 

Pequim disse então que tomará “todas as medidas necessárias” para salvaguardar os interesses da China. Isso poderá incluir tarifas retaliatórias sobre as exportações para a China de produtos como conhaque ou carne de porco.

Continua depois da publicidade

O chefe comercial da UE, Valdis Dombrovskis, disse que não há base para a China retaliar.

“Nosso objetivo é… garantir concorrência leal e condições de concorrência equitativas”, disse ele em entrevista à Bloomberg.

A investigação antissubsídios da UE ainda tem quase quatro meses pela frente.

Continua depois da publicidade

No final, a Comissão, divisão executiva da UE, poderia propor “deveres definidos”, normalmente aplicáveis ​​por cinco anos, nos quais os membros da UE votariam.

“Essas negociações com a China estão em andamento e, de fato, caso surja uma solução mutuamente benéfica, também poderemos encontrar maneiras de não aplicar, no final das contas, as tarifas”, disse Dombrovskis.

“Mas está muito claro que esta solução precisaria resolver a distorção do mercado que estamos tendo atualmente… e precisa ser compatível com o mercado.”

Continua depois da publicidade

O Ministério do Comércio da China disse nesta quinta-feira que ambos os lados realizaram até agora várias rodadas de negociações técnicas sobre tarifas.

“Esperamos que os lados europeu e chinês avancem na mesma direção, mostrem sinceridade e avancem com o processo de consulta o mais rápido possível”, disse He Yadong, porta-voz do ministério.

A BYD enfrentará tarifas de 17,4%, a Geely de 19,9% e a SAIC de 37,6%, disse a UE nesta quinta-feira. Tais percentuais representam um aumento na taxa padrão de 10% da UE sobre as importações de automóveis.

Continua depois da publicidade

Empresas consideradas pela UE como tendo cooperado com a investigação antissubsídios, incluindo os fabricantes de automóveis Tesla e BMW, estarão sujeitos a tarifas de 20,8% e os que não cooperaram a uma alíquota de 37,6%.

CRÍTICA

Maior fabricante de automóveis da Europa, a Volkswagen foi rápida em criticar o anúncio desta quinta-feira.

“Os efeitos negativos desta decisão superam quaisquer benefícios para a indústria automóvel europeia e especialmente para a alemã”, disse um porta-voz da Volkswagen num comunicado.

Os executivos da indústria automóvel alertaram contra as tarifas, temendo contrapartidas do ponto de vista de tarifas ou outras medidas que possam afetar a competitividade dos seus automóveis na China, quando já lutam para acompanhar um número crescente de concorrentes nacionais no mercado de veículos elétricos.

As montadoras alemãs realizaram um terço de suas vendas no ano passado na China.

A Comissão estimou que a quota das marcas chinesas no mercado da UE aumentou para 8%, face a menos de 1% em 2019, e poderá atingir 15% em 2025. Também afirma que os preços são normalmente 20% inferiores aos dos modelos fabricados na UE.

A Associação Chinesa de Automóveis de Passageiros afirmou que as tarifas terão um impacto modesto na maioria das empresas chinesas.

As taxas são muito inferiores à tarifa de 100% que Washington planeja aplicar às importações chinesas de veículos elétricos a partir de agosto.