Trump vence em New Hampshire, mas Haley promete lutar e mira a Carolina do Sul

Ex-presidente consolida caminhada para ser o indicado pelo Partido Republicano na eleição de novembro; ele tornou-se o primeiro republicano a ganhar em Iowa e New Hampshire desde 1976

Reuters

Publicidade

MANCHESTER (Reuters) – Donald Trump venceu a disputa presidencial republicana de New Hampshire na terça-feira (23), aproximando-se de uma revanche na eleição em novembro contra o presidente democrata Joe Biden, mesmo com sua única rival remanescente para a indicação, Nikki Haley, prometendo continuar lutando.

“Essa corrida está longe de terminar”, disse Haley, ex-embaixadora dos Estados Unidos da ONU, a seus apoiadores em uma festa pós-eleitoral em Concord, desafiando Trump ao debate. “Sou uma lutadora. E sou corajosa.”

Em sua comemoração em Nashua, Trump, de 77 anos, abriu seu discurso zombando de Haley, de 52 anos, chamando-a de “impostora” e dizendo: “Ela está fazendo um discurso como se tivesse vencido. Ela não ganhou. Ela perdeu… Ela teve uma noite muito ruim.”

Continua depois da publicidade

Os comentários do ex-presidente foram feitos após uma série de publicações furiosas em seu aplicativo Truth Social, chamando-a de “delirante”.

A próxima disputa está marcada para 24 de fevereiro na Carolina do Sul, onde Haley nasceu e exerceu dois mandatos como governadora.

Trump conseguiu o apoio da maioria das figuras republicanas do Estado, e as pesquisas de opinião o mostram com uma ampla vantagem lá.

Em New Hampshire, com 86% dos votos apurados, de acordo com a Edison Research, Trump tinha uma vantagem confortável de 54,4% a 43,5%.

Até a “Super Terça”

Haley esperava que o considerável quadro de eleitores independentes do Estado do nordeste a levasse a uma vitória surpreendente que pudesse afrouxar o controle de Trump sobre o Partido Republicano. Mas em vez disso, Trump se tornou o primeiro republicano a ganhar em Iowa e New Hampshire desde 1976, quando os dois Estados consolidaram seu status como as primeiras disputas de indicação.

O resultado provavelmente reforçará os pedidos de alguns republicanos para que Haley desista para que o partido possa se unir a Trump.

A campanha de Haley prometeu em um memorando avançar até a “Super Terça” em 5 de março, quando os republicanos em 15 Estados e um território votam.

A votação de terça-feira foi o primeiro confronto direto entre Trump e Haley, depois que o governador da Flórida, Ron DeSantis, antes visto como o adversário mais forte contra Trump, desistiu no domingo e declarou apoio ao ex-peresidente.

Enquanto isso, New Hampshire projetou Biden, de 81 anos, como o vencedor das primárias democratas, deixando de lado o adversário, o deputado Dean Phillips.