Trump fica próximo de nomeação entre republicanos após vitória na Carolina do Sul

A vitória de Trump solidifica o seu caminho para a nomeação do Partido Republicano antes da "Super Terça"

Bloomberg

O ex-presidente Donald Trump durante evento em National Harbor, Maryland (Kent Nishimura/Bloomberg)

Publicidade

Donald Trump venceu as primárias presidenciais republicanas na Carolina do Sul, de acordo com a Associated Press, desferindo um golpe na rival Nikki Haley em seu estado natal, enquanto o ex-presidente continua a dominar as disputas em 2024.

A AP anunciou o resultado logo após o fechamento das urnas. A vitória de Trump solidifica o seu caminho para a nomeação do Partido Republicano antes da Super Terça. Ele tem procurado conseguir rapidamente a nomeação enquanto enfrenta uma enxurrada de problemas legais e se prepara para uma revanche contra o presidente Joe Biden.

Trump abriu uma ampla vantagem desde o início da apuração. Haley prometeu permanecer na corrida independentemente do resultado na Carolina do Sul.

Continua depois da publicidade

Trump ainda precisa de mais delegados para definir a nomeação, mas a sua vitória sobre Haley no estado onde ela foi governadora deixa-o com um caminho claro e desobstruído para ser o candidato republicano nas eleições.

Haley é o último grande adversário de Trump numa corrida que viu o ex-presidente dominar todas as primárias republicanas, com vitórias em Iowa, New Hampshire e Nevada, antes da Carolina do Sul.

“Super Terça”

Trump subiu ao palco em Columbia, Carolina do Sul, logo após o anúncio do resultado, acompanhado pela nora Lara Trump e outros aliados, incluindo o senador norte-americano da Carolina do Sul, Tim Scott, considerado um potencial companheiro de chapa.

Continua depois da publicidade

“Isso veio um pouco mais cedo do que prevíamos”, disse Trump. “Uma vitória ainda maior do que esperávamos.”

O foco da corrida muda para a Super Terça, em 5 de março, quando mais de uma dúzia de estados realizam primária republicanas, mas Haley provavelmente enfrentará maior pressão para sair da disputa, além das dúvidas sobre se sua impressionante lista de doadores continuará financiando uma candidatura cuja viabilidade fica cada vez mais remota.

Trump está ansioso para encerrar a luta nas primárias rapidamente e avançar para uma revanche contra Biden em novembro, com os quatro processos criminais do líder do Partido Republicano – envolvendo 91 acusações criminais – e vários processos civis ameaçando mantê-lo fora da campanha.

Continua depois da publicidade

Questões legais

As questões jurídicas também estão impactando suas finanças. A operação política de Trump gastou mais de US$ 50 milhões e ele deve centenas de milhões de dólares após decisões judiciais.

Uma segunda administração Trump marcaria uma grande mudança política em Washington. Trump prometeu uma deportação em massa de imigrantes sem documentação, grandes aumentos de tarifas sobre importações e cortes de impostos internos. Ele também sugeriu abandonar os aliados da Otan que não cumprem as metas de gastos com defesa, despertando preocupações nos líderes europeus.

Trump pressionou os parlamentares no início deste mês para rejeitarem uma proposta bipartidária que buscava resolver a crise migratória na fronteira entre os EUA e o México e desbloquear mais de R$ 60 bilhões em ajuda à Ucrânia, incentivando-os a resistir por um acordo “perfeito” sobre a imigração.

Continua depois da publicidade

Aperto

Trump tem procurado reforçar o seu controle sobre o aparato de campanha do partido, pressionando para que sua nora Lara Trump seja a chefe do Comitê Nacional Republicano depois de pedir publicamente que a atual presidente, Ronna McDaniel, renuncie. McDaniel pode deixar seu cargo após as primárias, de acordo com fontes do partido.

Para Haley, o resultado é uma derrota humilhante, ainda mais após depois de ela ter gastado mais tempo e dinheiro do que Trump na Carolina do Sul. As pesquisas antes das primárias mostraram que ela estava atrás do ex-presidente por amplas margens: mais de 23 pontos percentuais na média estadual do RealClearPolitics.

Haley e os seus dois “supercomitês” de ação política aliados investiram milhões de dólares no estado, enquanto Trump gastou muito pouco em publicidade. Ela incentivou os eleitores a “virarem a página” de Trump, 77 anos, e Biden, 81 anos, para abraçarem os líderes de uma geração mais jovem, e apelou aos republicanos moderados, independentes e democratas para capitalizarem o sistema primário aberto da Carolina do Sul.

Continua depois da publicidade

A disputa tornou-se cada vez mais acirrada, com Trump, que zombou de Haley com apelidos depreciativos e questionou por que seu marido, um membro da Guarda Nacional destacado para a África, não estava na campanha com ela, enquanto tentava pressioná-la a sair da corrida.

Haley, por sua vez, questionou a aptidão mental de Trump depois que ele a confundiu com a ex-presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e disse aos eleitores que as políticas e problemas jurídicos do ex-presidente garantiriam o “caos” se ele fosse reeleito.

A antiga embaixadora dos EUA na ONU no governo Trump também atacou a política externa do seu antigo chefe, atacando-o por ameaças aos membros da Otan e por obstruir a ajuda à Ucrânia – apesar de a base republicana abraçar as opiniões mais populistas do antigo presidente.

© 2024 Bloomberg L.P.