Suprema Corte dos EUA derruba veto de acessório que transforma arma em metralhadora

Numa votação de 6 a 3, juízes anularam uma proibição imposta pelo governo Trump após um massacre em um show em Las Vegas em 2017

Bloomberg

Um dispositivo "bump stock" que cabe em um rifle semiautomático (George Frey/Getty Images)
Um dispositivo "bump stock" que cabe em um rifle semiautomático (George Frey/Getty Images)

Publicidade

A Suprema Corte dos EUA desferiu um novo golpe nos esforços de regulamentação de armas de fogo no país ao rejeitar a proibição federal dos chamados “bump stocks”, acessórios que permitem que uma arma semiautomática dispare a velocidades que rivalizam com a de uma metralhadora.

Numa votação de 6 a 3, segundo as linhas ideológicas do tribunal, os juízes anularam uma proibição criminal imposta pelo governo Trump após um massacre em um show em Las Vegas em 2017, quando um homem que usou o acessório matou 60 pessoas. Esse ataque foi o tiroteio em massa mais mortal da história americana moderna.

Escrevendo para o tribunal, o juiz Clarence Thomas disse que as “bump stocks” não transformam uma arma semiautomática em uma metralhadora, cuja venda é proibida por uma lei de 1986.

Continua depois da publicidade

“Uma coronha não converte um rifle semiautomático em uma metralhadora, assim como um atirador com um dedo no gatilho extremamente rápido”, escreveu Thomas.

As juízas Sonia Sotomayor, Elena Kagan e Ketanji Brown Jackson discordaram, com Sotomayor lendo um resumo de sua dissidência na bancada, para dar ênfase.

“A definição artificialmente restrita da maioria prejudica os esforços do governo para manter as metralhadoras longe de homens armados como o atirador de Las Vegas”, escreveu Sotomayor para o grupo.

Continua depois da publicidade

Antes familiares apenas aos entusiastas de armas, os “bump stocks” ganharam atenção nacional após o tiroteio em Las Vegas. Cinco meses após o tiroteio, o então presidente Donald Trump disse ao Departamento de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos (ATF, na sigla em inglês) para encontrar uma maneira de proibir os dispositivos.

A ATF, que faz parte do Departamento de Justiça, emitiu então uma regra classificando rifles com esse tipo de coronha como metralhadoras, revertendo uma posição que a agência havia assumido anteriormente.

A proibição foi um raro exemplo de uma gestão republicana aprovando uma medida de controle de armas. Mas a proibição também aliviou a pressão sobre os membros republicanos do Congresso que, de outra forma, teriam enfrentado exigências para aprovar legislação que irritasse grandes doadores do partido, como a entidade de lobby pró-armas National Rifle Association.

Continua depois da publicidade

Na época da aprovação da regra de 2018, a ATF estimou que mais de 500 mil bump stocks foram fabricados nos oito anos anteriores. A Suprema Corte permitiu que a proibição entrasse em vigor em 2019.

A luta dizia respeito ao alcance de uma lei federal e não à Segunda Emenda, a disposição constitucional que o tribunal tem utilizado para expandir os direitos às armas nos últimos anos. O tribunal também deverá decidir nas próximas semanas um conflito constitucional sobre a proibição federal de armas para pessoas sujeitas a ordens de restrição de violência doméstica.

Estoques de aumento

Os defensores da proibição incluíam a entidade anti-armas “Everytown for Gun Safety”, que é apoiado por Michael Bloomberg, fundador e proprietário majoritário da Bloomberg LP.

Continua depois da publicidade

“Armas equipadas com essas coronhas disparam como metralhadoras, matam como metralhadoras e deveriam ser banidas como metralhadoras – mas a Suprema Corte decidiu colocar esses dispositivos mortais de volta no mercado”, disse John Feinblatt, presidente da Everytown, que pediu que o Congresso aprove uma legislação bipartidária proibindo os dispositivos.

A National Rifle Association aplaudiu a decisão.

“O Supremo Tribunal restringiu adequadamente as agências do poder executivo ao seu papel de fazer cumprir a lei, e não de fazer”, disse Randy Kozuch, diretor executivo do braço de lobby do grupo. “Esta decisão será fundamental para os desafios futuros da NRA quanto às regulamentações do ATF.”

Continua depois da publicidade

As “bump stocks” substituem a coronha padrão de um rifle – a parte que fica apoiada no ombro do atirador – por um invólucro de plástico que permite que a arma deslize para frente e para trás. O dispositivo aproveita a energia de recuo quando um tiro é disparado, fazendo com que a arma deslize para trás e se separe do dedo no gatilho. A separação permite que o mecanismo de disparo seja reiniciado.

Ao aplicar pressão constante para frente com a mão sem gatilho, o atirador pode então forçar o rifle para frente de modo que ele “bata” no dedo do gatilho, mesmo sem mover o dedo.

A questão era se os “bump stocks” atendem à definição da lei de metralhadoras como armas que podem “automaticamente” disparar mais de um tiro “por uma única função do gatilho”. Thomas disse que essa linguagem, usada pela primeira vez em uma lei de 1934 que exigia o registro de metralhadoras, não pode ser aplicada a esses acessórios.

“Entre cada tiro, o atirador deve liberar a pressão do gatilho e permitir que ele seja reiniciado antes de engatar novamente o gatilho para outro tiro”, escreveu Thomas. “Um ‘bump stock’ apenas reduz a quantidade de tempo que decorre entre as ‘funções’ separadas do gatilho.”

Sua opinião incluía diversas ilustrações em preto e branco dos vários estágios de operação de um gatilho.

Sotomayor respondeu que a frase significa “uma única ação do atirador para iniciar uma sequência de tiro, incluindo puxar um gatilho e avançar um rifle semiautomático equipado com coronha”.

Num parecer similar, o juiz Samuel Alito disse que “o Congresso pode alterar a lei – e talvez já o tivesse feito se a ATF tivesse mantido a sua interpretação anterior”.

© 2024 Bloomberg L.P.