Senado dos EUA enfrenta novo teste sobre projeto de lei de ajuda à Ucrânia

Casa tentará se aproximar da aprovação de um pacote de ajuda de US$ 95,34 bilhões para a Ucrânia, Israel e Taiwan

Reuters

(Robert Alexander/Getty Images)

Publicidade

O Senado dos EUA, ainda dividido, tentará se aproximar da aprovação de um pacote de ajuda de US$ 95,34 bilhões para a Ucrânia, Israel e Taiwan no domingo (11), na esperança de mostrar apoio bipartidário suficiente para impulsionar a medida até o fim no Congresso.

A norma precisa de 60 votos para superar um obstáculo processual e seguir para a aprovação no Senado nos próximos dias. Poderia avançar mais rapidamente se os democratas e os republicanos chegassem a um acordo para acelerar a medida, embora, ainda assim, enfrente forte oposição na Câmara dos Deputados, controlada pelos republicanos.

O dinheiro é considerado crucial por Kiev, que está se aproximando do segundo aniversário da invasão russa. O presidente democrata Joe Biden, que vem buscando a ajuda há meses, disse na sexta-feira (9) que o Congresso seria culpado de “negligência” se não conseguisse aprovar a medida.

Continua depois da publicidade

Donald Trump, que disputa a candidatura pelos republicanos à Casa Branca, criticou a legislação nas mídias sociais um dia antes da votação, dizendo que “nenhum dinheiro deve ser dado a nenhum país, a menos que seja feito como um empréstimo”.

Não ficou imediatamente claro se sua crítica poderia fortalecer a oposição entre os republicanos do Senado, a maioria dos quais apoiou o ex-presidente. Trump também foi criticado por autoridades europeias por sugerir que ele encorajaria a agressão externa contra os membros da Otan que não pagam suas taxas.

O presidente da Câmara dos Deputados, Mike Johnson, que tem uma pequena maioria republicana de 219-212, indicou que poderia tentar dividir as provisões de ajuda em medidas separadas quando o projeto de lei chegar do Senado.

Mas um projeto de lei autônomo de ajuda a Israel foi vítima na Câmara na semana passada da oposição dos democratas, que são favoráveis à legislação mais ampla do Senado, e dos republicanos da linha dura, que queriam cortes compensatórios nos gastos, em duas derrotas humilhantes para Johnson.

Durante uma visita a Kiev, na sexta-feira, uma delegação bipartidária de legisladores da Câmara prometeu fazer sua parte para aprovar a medida.

Os republicanos do Senado acreditam que a aprovação bipartidária ajudaria a estimular o apoio dos republicanos na Câmara. “Isso moldará o ambiente de tal forma que (…) mais republicanos se sentirão à vontade para apresentar o projeto de lei”, disse o senador Todd Young, republicano de Indiana, aos repórteres.

A legislação do Senado superou uma etapa processual importante na semana passada, passando por 67 votos a 32, com 17 republicanos cruzando os braços para apoiar a medida.

Young disse que esses 17 votos representaram um “número forte” que poderia ajudar o pacote na Câmara, se esse apoio puder ser mantido.

O projeto de lei inclui US$ 61 bilhões para a Ucrânia, US$ 14 bilhões para Israel em sua guerra contra o Hamas e US$ 4,83 bilhões para apoiar parceiros no Indo-Pacífico, incluindo Taiwan, e impedir a agressão da China.

Também forneceria US$ 9,15 bilhões em assistência humanitária aos civis em Gaza e na Cisjordânia, na Ucrânia e em outras zonas de conflito em todo o mundo.

O apoio republicano à medida poderá aumentar e o ritmo do progresso poderá ser acelerado se o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, e seu colega republicano, Mitch McConnell, conseguirem chegar a um acordo que permita a votação das emendas republicanas.

Os republicanos querem emendas que possam abordar o fluxo recorde de migrantes pela fronteira entre os EUA e o México e renunciar às disposições de assistência humanitária, restringindo a ajuda externa a armas e materiais.

Mas até o momento não houve acordo, com alguns republicanos que se opõem a mais ajuda à Ucrânia prometendo atrasar a consideração, forçando o Senado a cumprir um labirinto de regras parlamentares que consomem muito tempo.

“Espero que nossos colegas republicanos possam trabalhar conosco para chegar a um acordo sobre as emendas, para que possamos dar andamento a esse projeto de lei mais rapidamente”, disse Schumer na última votação processual na sexta-feira. “No entanto, o Senado continuará trabalhando nesse projeto de lei até que o trabalho seja concluído.”