Reino Unido pode melhorar acordo “malfeito” do Brexit, diz novo premiê Keir Starmer

O Partido Trabalhista descartou a possibilidade de voltar a participar do mercado único ou da união alfandegária da UE, mas disse que é possível remover algumas barreiras comerciais com o bloco

Reuters

O novo primeiro-ministro do Reino Unido, Keir Starmer - 08/07/2024 (Foto: Clodagh Kilcoyne/Reuters)
O novo primeiro-ministro do Reino Unido, Keir Starmer - 08/07/2024 (Foto: Clodagh Kilcoyne/Reuters)

Publicidade

Belfast (Reuters) – O novo primeiro-ministro do Reino Unido, Keir Starmer, prometeu nesta segunda-feira (8) garantir um acordo melhorado com a União Europeia sobre as regras comerciais pós-Brexit e reformular o “acordo malfeito” assinado pelo ex-premiê Boris Johnson.

Em discurso em Belfast, após conversas com os líderes da Irlanda do Norte, onde as regras comerciais pós-Brexit dominam o debate público há anos, Starmer disse que seu governo precisará primeiro implementar mudanças no acordo atual para construir confiança com a UE.

Diversifique investindo no Brasil e no exterior usando o mesmo App com o Investimento Global XP

Continua depois da publicidade

“Acreditamos que podemos conseguir um acordo melhor do que o acordo malfeito que Boris Johnson trouxe para casa e trabalharemos nisso”, disse aos repórteres Starmer, que obteve uma vitória esmagadora na semana passada em uma eleição geral.

“Não conseguiremos um relacionamento melhor a menos que demonstremos compromisso com o relacionamento e com os acordos que já foram estabelecidos”, acrescentou.

O Partido Trabalhista descartou a possibilidade de voltar a participar do mercado único ou da união alfandegária da UE, mas disse que é possível remover algumas barreiras comerciais com o bloco, do qual o Reino Unido saiu em 2020.

Continua depois da publicidade

O maior partido pró-Reino Unido da Irlanda do Norte encerrou um boicote à assembleia depois de ajustes nas regras comerciais garantidos pelo ex-primeiro-ministro Rishi Sunak em fevereiro, mas desde então vem pedindo mais mudanças.

Questionado sobre a perspectiva de um referendo sobre uma Irlanda unida depois que os nacionalistas irlandeses do Sinn Fein se tornaram o maior grupo da província no Parlamento, Starmer disse que “agiria de acordo com o Acordo da Sexta-Feira Santa” — o acordo de paz de 1998 que encerrou três décadas de violência sectária.

De acordo com o acordo, um referendo fica a critério do governo britânico se “parecer provável” ao ministro britânico para a Irlanda do Norte que uma maioria seria a favor do corte de laços com Londres.
Starmer, que visitou no domingo Edimburgo, na Escócia, deve continuar em uma turnê pós-eleitoral pelas quatro nações do Reino Unido com uma visita hoje a Cardiff, no País de Gales.