Quem será o próximo presidente do Irã após a morte de Raisi?

Morte do presidente iraniano consequências para o futuro de uma das posições mais poderosas do Oriente Médio

Bloomberg

Raisi visita projeto de ponte rodoviária e ferroviária no Azerbaijão em 19 de maio de 2024 (Gabinete do Presidente da República Islâmica do Irã/Getty Images)

Publicidade

A morte do presidente iraniano, Ebrahim Raisi, num acidente de helicóptero levanta a questão imediata de quem o sucederá na gestão do governo. Não se esperava apenas que Raisi sucedesse ao Líder Supremo, o Aiatolá Ali Khamenei, mas a sua morte também gera consequências para o futuro de uma das posições mais poderosas do Oriente Médio.

Qual é a diferença entre Líder Supremo e Presidente?

O Líder Supremo, também conhecido como “Velayat-e Faqih” na teologia islâmica xiita, é o governante máximo no Irã e é responsável por tomar todas as decisões importantes relativas ao estado. O Líder Supremo, cargo estabelecido após a Revolução Islâmica de 1979, também é chefe de estado e comandante-em-chefe.

Somente homens podem ser escolhidos para o cargo. De acordo com o tipo de lei islâmica que é implementada no Irã, ele tem de ser dado a um teólogo xiita de alto escalão, que deve estar pelo menos no posto de aiatolá – embora seja discutido se o próprio Khamenei alguma vez atingiu esse nível.

Continua depois da publicidade

Entretanto, o presidente do Irã é o chefe do poder executivo do país e é eleito num processo eleitoral rigorosamente controlado a cada quatro anos. O presidente comanda o governo e, dependendo da formação política e da força dessa pessoa, pode acumular grande influência sobre a política estatal e a economia.

O que acontece agora?

De acordo com a constituição do Irã, após a morte do presidente, o primeiro vice-presidente assume a liderança temporária. Juntamente com o chefe do poder Judiciário e o presidente do Parlamento, realizam novas eleições presidenciais no prazo de 50 dias. Neste caso, parece certo que o líder temporário será Mohammad Mokhber, um antigo oficial do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica e ex-chefe de um fundo patrimonial que cuida dos bens da República Islâmica.

Num aparente esforço para dissipar qualquer preocupação pública sobre a estabilidade do governo, Khamenei falou sobre a ausência de Raisi no domingo à noite – mesmo antes da sua morte ser confirmada – e disse que as pessoas não deveriam esperar quaisquer perturbações na forma como o país é administrado.

Continua depois da publicidade

Mohammad Mokhber (Borna News/Farzam Saleh/Iran Images/ATPImages/Getty Images)Mohammad Mokhber (Borna News/Farzam Saleh/Iran Images/ATPImages/Getty Images)

Qual o impacto que a morte de Raisi teve no Irã e na região?

Uma das grandes questões levantadas pela morte de Raisi é como a sua ausência poderá afetar a batalha sobre quem sucede a Khamenei como Líder Supremo. Esta é uma questão que preocupa acadêmicos, funcionários e analistas à medida que Khamenei envelhece.

A morte de Raisi também poderá ter consequências para a relação do Irã com o resto da região. O Irã apoia uma série de grupos “por procuração” – os mais poderosos deles lutam contra Israel. O Corpo da Guarda Revolucionária vai procurar garantir que os inimigos do Irã não explorem um momento de convulsão social. Raisi também supervisionou um período de laços mais próximos com os países do Golfo Pérsico, incluindo a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, e embora seja provável que a política continue, qualquer novo líder poderá ter prioridades diferentes.

Quem é o próximo na fila para ser o Líder Supremo?

Na estrutura política complicada e muito fechada do Irã, praticamente não existem espaços oficiais ou públicos onde sejam discutidas abertamente questões sobre a substituição de Khamenei. Mas analistas, autoridades e acadêmicos próximos do establishment político já mencionavam há algum tempo tanto Raisi como Mojtaba, filho de Khamenei, como principais candidatos.

Continua depois da publicidade

A morte de Raisi significa que Mojtaba será agora visto como tendo um caminho claro para o cargo mais alto. Mas isso também seria uma nomeação arriscada. O Irã tem um legado difícil com o conceito de governo herdado – os líderes da Revolução Islâmica de 1979 opuseram-se veementemente a qualquer tipo de sistema que se assemelhasse à monarquia que derrubaram.

A popularidade de Mojtaba também nunca foi testada, visto que ele não ocupa nenhum cargo governamental e não é visto publicamente com muita frequência. O Líder Supremo precisa pelo menos dar a impressão de ter um apoio autêntico das massas que apoiam o sistema religioso atual, se quiser ter algum tipo de legitimidade.

© 2024 Bloomberg L.P.