Primeiro-ministro palestino Mohammad Shtayyeh renuncia

Medida ocorre em meio à crescente pressão dos EUA sobre o presidente Mahmoud Abbas para que ele dê uma guinada na Autoridade Palestina, enquanto esforços se intensificam para acabar com os combates em Gaza

Reuters

Cidadãos palestinos inspecionam danos às suas casas causados por ataques aéreos israelenses (Getty Images)

Publicidade

RAMALLAH (Reuters) – O primeiro-ministro palestino, Mohammad Shtayyeh, disse nesta segunda-feira (26) que estava renunciando para permitir a formação de um amplo consenso entre os palestinos sobre os acordos políticos em decorrência da guerra de Israel contra o grupo islâmico Hamas em Gaza.

A medida ocorre em meio à crescente pressão dos Estados Unidos sobre o presidente Mahmoud Abbas para que ele dê uma guinada na Autoridade Palestina, à medida que os esforços internacionais se intensificam para acabar com os combates em Gaza e começar a trabalhar em uma estrutura política para governar o enclave após a guerra.

A renúncia ainda deve ser aceita por Abbas, que pode pedir que ele permaneça como interino até que um substituto permanente seja nomeado.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Em uma declaração ao gabinete, Shtayyeh, um economista acadêmico que assumiu o cargo em 2019, disse que a próxima etapa precisaria levar em conta a realidade em Gaza, que foi devastada por quase cinco meses de combates pesados.

Ele afirmou que a próxima etapa “exigirá novos arranjos governamentais e políticos que levem em conta a realidade emergente na Faixa de Gaza, as negociações de unidade nacional e a necessidade urgente de um consenso interpalestino”.

Além disso, seria necessária “a extensão da autoridade da Autoridade sobre todo o território da Palestina”.

Continua depois da publicidade

Disputas internas

A Autoridade Palestina, formada há 30 anos sob os acordos de paz provisórios de Oslo, exerce um governo limitado sobre partes da Cisjordânia ocupada, mas perdeu o poder em Gaza após uma luta com o Hamas em 2007.

Fatah, a facção que controla a AP, e o Hamas têm se esforçado para chegar a um acordo sobre um governo de unidade e devem se reunir em Moscou na quarta-feira (28). Uma autoridade sênior do Hamas disse que a medida deve ser seguida por um acordo mais amplo sobre a governança para os palestinos.

“A renúncia do governo de Shtayyeh só faz sentido se ocorrer dentro do contexto de um consenso nacional sobre os arranjos para a próxima fase”, disse à Reuters Sami Abu Zuhri, autoridade sênior do Hamas.

Israel prometeu destruir o Hamas e diz que, por motivos de segurança, não aceitará o governo da Autoridade Palestina sobre Gaza após a guerra, que eclodiu depois de um ataque liderado pelo Hamas no sul de Israel em 7 de outubro, o qual matou cerca de 1.200 israelenses e estrangeiros, de acordo com os registros israelenses.

Até o momento, quase 30.000 palestinos foram mortos nos combates em Gaza, segundo autoridades de saúde palestinas, e quase toda a população foi expulsa de suas casas.