Presidente eleito do Irã reafirma política em relação a Israel

"A República Islâmica sempre apoiou a resistência dos povos da região contra o regime sionista ilegítimo", disse Masoud Pezeshkian

Reuters

Presidente eleito do Irã, Masoud Pezeshkian
06/07/2024
Majid Asgaripour/WANA (West Asia News Agency) via REUTERS
Presidente eleito do Irã, Masoud Pezeshkian 06/07/2024 Majid Asgaripour/WANA (West Asia News Agency) via REUTERS

Publicidade

O presidente eleito do Irã, Masoud Pezeshkian, reafirmou a posição anti-Israel do país nesta segunda-feira (8), dizendo que os movimentos de resistência em toda a região não permitirão que as “políticas criminosas” de Israel em relação aos palestinos continuem.

“A República Islâmica sempre apoiou a resistência dos povos da região contra o regime sionista ilegítimo”, disse Pezeshkian em uma mensagem a Hassan Nasrallah, líder do grupo libanês Hezbollah, apoiado pelo Irã.

Os comentários não indicaram nenhuma mudança nas políticas regionais do novo governo, sob o comando do relativamente moderado Pezeshkian, que derrotou seu rival linha-dura no segundo turno das eleições da semana passada.

Continua depois da publicidade

“Estou certo de que os movimentos de resistência na região não permitirão que esse regime continue com suas políticas criminosas e belicistas contra o povo oprimido da Palestina e outras nações da região”, disse Pezeshkian à mídia iraniana.

O Hezbollah, muçulmano xiita, e o Hamas, muçulmano sunita palestino, fazem parte de um grupo de grupos apoiados pelo Irã na região, conhecido como Eixo de Resistência.

Israel não comentou imediatamente as falas de Pezeshkian.

Continua depois da publicidade

A guerra de Israel contra o Hamas em Gaza começou depois que o grupo militante islâmico que governa o enclave palestino liderou um ataque ao sul de Israel em 7 de outubro, matando 1.200 pessoas e fazendo cerca de 250 reféns, de acordo com os registros israelenses.

Mais de 38 mil palestinos foram mortos na ofensiva militar de Israel e quase 88 mil ficaram feridos, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza.