Partido Republicano realiza hoje as primárias de New Hampshire, com favoritismo para Trump

Ex-presidente dos Estados Unidos enfrenta a ex-governadora da Carolina do Sul Nikki Haley e pesquisas mostram vantagem de 10 a quase 30 pontos para Trump

Roberto de Lira

O ex-presidente dos EUA, Donald Trump (Chip Somodevilla/Getty Images)

Publicidade

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump e a ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley se enfrentam na primárias de New Hampshire na noite desta terça-feira (23) na corrida pela indicação do nome do candidato do Partido Republicano para as eleições presidenciais de novembro.

Após a vitória no “caucus” de Iowa na semana passada, com uma vantagem de 30 pontos sobre seus adversários, Trump é considerado novamente favorito. Pesquisas feitas nesta semana apontam para vantagens que vão de 10 pontos percentuais a até 27 pontos sobre sua concorrente,

Essa diferença pode tornar o quadro a favor de Trump praticamente irreversível. Nikki Haley, por sua vez, precisa se mostrar ainda competitiva antes de a disputa ir para seu estado natal, em 24 de fevereiro. Ela aposta na rejeição do nome de Trump entre os independentes para continuar na corrida.

Continua depois da publicidade

Haley sofreu o que pode ser considerado um revés nesta semana, quando o governador da Flórida, Ron DeSantis, desistiu da disputa e passou a apoiar Trump, como já havia feito o empresário Vivek Ramaswamy logo após o “caucus” de Iowa.  Como ambos se colocavam no campo mais conservador do partido, sua presença nas cédulas poderia reduzir  a vantagem de Trump, segundo especialistas.

Por outro lado, a saída de DeSantis, elevou a arrecadação de sua campanha em US$ 500 mil em menos de 24 horas, o que permite mais compra de publicidade na Carolina do Sul.

Durante uma entrevista ao programa NewsNation na segunda-feira (22), Haley disse que “nunca foi justo” dizer que o sucesso de sua campanha depende das primeiras primárias de New Hampshire. “Eu disse que precisava ser forte em Iowa. Começamos em 2%. Terminamos em 20. Preciso ser mais forte em New Hampshire. Acho que faremos isso amanhã (hoje). E então preciso ser mais forte do que isso na Carolina do Sul.” 

Ela lembrou ainda que que Trump obteve “apenas” 1,5% dos votos em Iowa, porque foram 56 mil votos em um estado com mais de 3 milhões de habitantes.  “Isso não é representativo do país. E você tem a classe política dizendo: ah, é ele. Tem que ser ele. Não, isso não é uma coroação. Isto é uma eleição.”