O que é a COP28 e por que é importante?

Em meio a ondas de calor extremo e temporais destruidores, líderes de diversas nações se reúnem para discutir sobre mudanças climáticas

Bloomberg

Montagem fotográfica mostra termômetro marcando acima de 40º Celsius em alusão às ondas de calor extremo e mudanças climáticas (Foto: GettyImages)

Publicidade

(Bloomberg) — Os líderes mundiais devem se reunir para negociações anuais sobre mudanças climáticas em Dubai, em dezembro. Na agenda: a redução progressiva – ou mesmo a eliminação progressiva – dos combustíveis fósseis, um objetivo global para ajudar o mundo a adaptar-se a fenômenos climáticos extremos, o comércio de emissões de carbono e um novo fundo para pagar pelas perdas e danos causados ​​pelo aquecimento global.

Este ano assistimos mais uma vez aos efeitos devastadores das alterações climáticas no planeta. A temporada de verão no hemisfério norte foi a mais quente já registrada em todo o mundo. Pelo menos 5.000 pessoas morreram na Líbia na tempestade Daniel, no Mediterrâneo, em setembro, enquanto um incêndio florestal na ilha havaiana de Mauí matou pelo menos 115 pessoas.

Quando é a COP28?

Começa na quinta-feira, 30 de novembro, e termina na terça-feira, 12 de dezembro. Embora as conversas estejam programadas para durar quinze dias, elas são conhecidas por se prolongarem por um ou dois dias extras, enquanto os delegados discutem o texto final do comunicado.

Continua depois da publicidade

Onde a COP28 será realizada?

Este ano a presidência rotativa é dos Emirados Árabes Unidos (EAU) e a COP28 será realizada na Expo City, em Dubai.

Embora tenham surgido suspeitas quando um dos maiores produtores de petróleo do mundo foi selecionado para liderar as conversações, os EAU argumentam que estão numa posição forte para convencer outros países ricos em petróleo e gás a irem mais longe e mais rapidamente na redução das emissões.

O que é a COP28?

É a reunião anual de quase 200 países, organizada pelas Nações Unidas, para discutir formas de evitar as alterações climáticas provocadas pelo homem e de adaptação ao aumento das temperaturas. As discussões acontecem há 28 anos, dando às reuniões deste ano o nome técnico de 28ª Conferência das Partes no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas.

A ideia original, há três décadas, era criar um processo multilateral em que todos tivessem voz sobre a melhor forma de o mundo reduzir os gases com efeito de estufa. Na realidade, existem divisões persistentes entre países ricos e pobres. Os países em desenvolvimento argumentam que os países desenvolvidos enriqueceram ao longo do último século através da criação de indústrias baseadas em combustíveis fósseis, e que deveriam ser capazes de fazer o mesmo.

O processo da COP alcançou um acordo inovador em Paris em 2015, quando todos os países concordaram pela primeira vez em garantir que o aumento da temperatura permanecesse bem abaixo dos 2 graus Celsius em comparação com os níveis pré-industriais e estabeleceram uma meta alargada para garantir que o aquecimento não ultrapassasse os 1,5 graus Celsius. C. Para conseguir isso significa que as emissões deverão cair para “zero líquido” até meados do século.

Embora o Acordo de Paris tenha sido um momento marcante, os países têm lutado para cumpri-lo. Cada membro deve fazer promessas mostrando como contribuirá com a sua parte para manter as temperaturas sob controle. Mas esses planos não são bons o suficiente. Este ano, os países realizarão o primeiro balanço oficial dos progressos realizados até agora.

Quantas pessoas participarão da COP28?

Espera-se que a cimeira deste ano seja a maior de sempre, com a presença de mais de 70.000 pessoas. Os Emirados Árabes Unidos estão bem preparados para gerir um evento gigantesco, com muitos quartos de hotel em Dubai e um dos aeroportos mais bem conectados do mundo. Tanto a COP21 em Paris como a COP26 em Glasgow em 2021 tiveram mais de 40.000 participantes registados, enquanto 33.000 pessoas registaram-se para participar na reunião do ano passado no Egito.

Quem pode participar da COP28?

No centro da COP28 estão os negociadores – funcionários públicos de 197 países, que passam duas semanas trancados a portas fechadas a discutir os detalhes dos acordos que deveriam impulsionar a ação no combate às alterações climáticas. Os negociadores são frequentemente acompanhados pelos seus ministros e, por vezes, pelos chefes de estado que podem ajudar a selar um acordo. Alcançar um consenso é fundamental para o processo COP. Todos os países têm voz igual, independentemente do seu tamanho.

Mas não são apenas os governos que participam. Membros de grupos da sociedade civil, bem como empresas, também compareceram para fazer ouvir os seus casos à margem do evento. E, claro, o site está repleto de jornalistas que relatam o que está acontecendo no resto do mundo.

Por que a COP28 é importante?

Este é o primeiro ano desde que o Acordo de Paris foi assinado em 2015 que os países farão um balanço dos progressos que estão a fazer no combate às alterações climáticas. Já sabemos a resposta: que não estão a avançar suficientemente rápido na redução das emissões ao ritmo prometido por Paris. A revisão deverá pressionar os países para que acelerem as coisas.

Após a COP28, os países terão até 2025 para apresentar novos planos nacionais para combater as alterações climáticas — o que determinará verdadeiramente se o mundo está a caminhar na direção certa.

Alguns países mais ricos, especialmente na Europa, estão a pressionar por compromissos mais duros, como a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis e o “pico” das emissões (impedi-los de subir) até 2025. Este é um grande pedido para muitos países em desenvolvimento, como a Índia, que vêem os combustíveis fósseis como cruciais para o crescimento das suas economias.

A COP deste ano também será crucial para o financiamento climático. Os países ricos cumpriram agora a sua promessa de mobilizar 100 mil milhões de dólares por ano para ajudar os países pobres a lidar com os piores impactos das alterações climáticas. Mas este é um montante minúsculo em comparação com os 2,5 biliões de dólares por ano que serão necessários até 2030. Os negociadores procurarão chegar a um acordo sobre um novo objectivo colectivo pós-2025 para o financiamento climático. Inicialmente, foi pedido aos países ricos responsáveis ​​pela maior parte das emissões históricas que contribuíssem, mas agora países como o Gana apelam ao alargamento do conjunto de contribuintes para incluir grandes economias como a China, a maior fonte mundial de gases que contribuem para o aquecimento climático.

Os primeiros dias da COP28 também assistirão a uma enxurrada de anúncios por parte dos líderes mundiais sobre como combater as potentes emissões de metano provenientes do petróleo e do gás, tornar a agricultura e a produção alimentar mais sustentáveis ​​e triplicar a capacidade de energia renovável. Espera-se também que o país anfitrião anuncie um fundo multibilionário para investir em tecnologias amigas do clima.

A COP28 está destinada a ser um fracasso?

Um verdadeiro fracasso da COP ocorre quando nenhum progresso pode ser acordado no final das duas semanas. Isto aconteceu em Madrid em 2019, com a COP25 quando as partes não conseguiram chegar a um acordo sobre um texto final em muitas áreas. A COP21 em Copenhagen, em 2009, também foi considerada um fracasso. Os negociadores não conseguiram chegar a um acordo vinculativo para reduzir os gases com efeito de estufa que deveria substituir o Protocolo de Quioto, que expirou em 2012.

Mas mesmo que seja acordado um texto final, muitos países – especialmente pequenas nações insulares – continuarão a considerá-lo um fracasso, a menos que se comprometam com uma linguagem forte em torno da eliminação progressiva dos combustíveis fósseis e da manutenção do aquecimento global abaixo de 1,5ºC. O risco este ano é que o presidente da COP não seja visto como suficientemente imparcial para mediar um acordo com todas as partes.

Começa a parecer que os maiores emissores do mundo podem estar dispostos a fazer concessões. Os líderes da China e dos EUA chegaram a acordo em meados de Novembro para intensificar a ação climática, apoiar os esforços globais para triplicar a capacidade de energia renovável até 2030, acelerar a construção interna de energia verde para substituir o carvão, o petróleo e o gás, e promover a cooperação para limitar as emissões de óxido nitroso e metano, dois gases com efeito de estufa particularmente perniciosos.

Quem é o presidente da COP28?

Os Emirados Árabes Unidos nomearam o Dr. Sultan Ahmed Al Jaber como presidente da COP28. Ele também dirige o produtor estatal de petróleo dos EAU, Abu Dhabi National Oil Co., e isso levou muitos ativistas ambientais a questionarem se ele pode permanecer imparcial à medida que as negociações esquentam ao longo da conferência. Os seus apoiantes salientam que ele também preside a Masdar, a empresa estatal de energias renováveis ​​e a função de Al Jaber, um dos principais promotores solares do mundo, é reunir todas as 197 partes, usando as suas capacidades diplomáticas para ajudar os países a colmatar as suas divisões e a chegar a um acordo final.

(Atualizações com informações mais recentes)

© 2023 Bloomberg L.P.