O Ocidente está abandonando a Ucrânia? A difícil semana de Zelensky em busca de apoio

Acontecimentos recentes contrastam com recepção acalorada logo no início do conflito

Bloomberg

Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky participa da Assembleia Geral da ONU em Nova York (Adam Gray/Getty Images)

Publicidade

Bloomberg) – Três momentos apontam para um lento afastamento da Ucrânia por parte dos seus aliados mais próximos.

Volodymyr Zelensky se sentiu compelido a ir até à Argentina só para ter algum tempo frente a frente com o homem que obstruía a ajuda da União Europeia ao país. Em seguida, foi para Washington, onde o presidente ucraniano, outrora aclamado como herói, saiu de mãos vazias.

E depois instou governantes da União Europeia, reunidos em uma cúpula nesta quinta-feira em Bruxelas, a autorizar o início das negociações para a adesão de seu país ao bloco, apesar da oposição da Hungria à entrada.

Continua depois da publicidade

A França, a Alemanha e outros informaram que comparecer não seria uma boa ideia, segundo pessoas familiarizadas com a discussão, que falaram sob condição de anonimato. Precisavam de espaço para tentar chegar a um acordo com o rebelde primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, que orgulhosamente mantém laços com a Rússia mesmo depois da invasão da Ucrânia em fevereiro de 2022.

No final, o chanceler alemão, Olaf Scholz, recorreu a um artifício processual sem precedentes para literalmente fazer com que Orban saísse da sala para que o bloco concordasse em abrir negociações de adesão – um processo que poderia levar até uma década. Mas quando se tratava de dinheiro, que a Ucrânia necessita desesperadamente para permanecer na luta contra a Rússia, a decisão foi adiada.

A dolorosa ótica não passou despercebida ao presidente russo, Vladimir Putin.

“Hoje, a Ucrânia não produz quase nada. Eles ainda estão tentando economizar alguma coisa, mas recebem brindes para tudo”, disse Putin durante sua tradicional coletiva de imprensa anual. “Aparentemente, tudo isso está acabando aos poucos.”

Em Bruxelas, a Ucrânia obteve uma vitória largamente simbólica com um acordo para iniciar negociações de adesão. Orban, de forma reveladora, vetou o planejado pacote de ajuda de US$ 50 bilhões da UE, atrasando as negociações para o início do próximo ano.

Em Washington, a Câmara dos Representantes ainda não aprovou o pedido do presidente Joe Biden de uma ajuda adicional de US$ 61 bilhões em assistência à Ucrânia, enquanto os republicanos continuam a fazer exigências sobre o controle das fronteiras.

Os acontecimentos da semana passada contrastam fortemente com a recepção que Zelensky teve outrora e expõem a árdua luta por apoio durante um ano eleitoral nos EUA, quando Donald Trump tenta retomar a Casa Branca.

Há história entre os dois. Em 2019, Trump pressionou o então recém-eleito Zelensky para investigar os Bidens.

Para os aliados, a redução do apoio está ligada, em parte, a uma contra-ofensiva muito alardeada que não conseguiu satisfazer as elevadas expectativas dos aliados.

Há um ano, as forças ucranianas conseguiram retomar grandes extensões de terra das tropas russas. Um tapete vermelho foi estendido para Zelensky em Bruxelas, em fevereiro, quando ele desembarcou do avião particular do presidente francês Emmanuel Macron.

Todos queriam um pedaço do líder do tempo de guerra. Um jantar de última hora em Paris na noite anterior com Macron e Scholz provocou a ira da primeira-ministra italiana Giorgia Meloni, que não foi convidada.

Esta semana, o futuro da Ucrânia foi discutido pelo mesmo trio. No bar do hotel, na noite anterior à reunião em Bruxelas, Macron e Meloni sentaram-se diante de uma garrafa de vinho tinto, com Scholz juntando-se a eles pouco depois da meia-noite. Eles discutiram se Orban bloquearia ou desbloquearia tudo.

Após oito horas de discussões sobre a Ucrânia, Scholz realizou a sua jogada surpresa para superar a obstinação de Orban. Ele olhou para Orban e sugeriu que o líder húngaro se levantasse e fosse tomar uma xícara de café enquanto os outros votavam sobre o início das negociações de adesão com a Ucrânia.

Orban concordou, impedindo assim o seu veto a pelo menos uma das prioridades para Kiev. Numa conversa de uma hora antes da reunião, Zelensky sublinhou ao primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, que a decisão da UE sobre a adesão era mais importante e as finanças apenas secundárias, segundo uma pessoa familiarizada com o assunto.

Zelensky disse a Tusk que a Ucrânia precisava de um sinal de que a Europa não estava abandonando o país, disse a fonte, acrescentando que Orban estava ciente de que não poderia vetar o financiamento.

Mais tarde naquela noite, Orban forçou a UE a iniciar as discussões só em 2024. Cada dia conta para a Ucrânia nesta altura, uma vez que os combates serão retomados no início da Primavera, com Putin tentando ganhar tempo enquanto Zelensky sente a pressão para mostrar resultados no campo de batalha.

Kiev não ficará necessariamente sem dinheiro nas próximas semanas, mas as lutas internas e os atrasos entre os aliados levantam questões sobre a capacidade dos apoiadores da Ucrânia sustentarem a ajuda a longo prazo, especialmente à medida que a luta chega a um impasse e a campanha presidencial nos EUA esquenta.

Depois de apoiar firmemente a Ucrânia durante quase dois anos com mais de US$ 110 bilhões a ajuda a Kiev parece se tornar cada vez mais uma moeda de troca política.

Os aliados da Ucrânia estão determinados a mostrar a Putin que ele está errado ao apostar contra a determinação deles em apoiar Kiev. Mas depois desta semana, isso está se mostrando cada vez mais difícil de fazer.

Alguns líderes da UE observaram que poderiam enfrentar dificuldades em manter o apoio público à Ucrânia se o bloco gastasse dinheiro para o país, mas não conseguisse encontrar dinheiro para outros problemas.

Políticos nacionalistas e populistas, dos Países Baixos à França, procuram apoio nas eleições para o parlamento da UE do próximo ano e querem que questões como manter os migrantes fora da UE sejam priorizadas em detrimento a questões como dinheiro para um conflito fora das suas fronteiras.

Os atrasos dos EUA e da UE na ajuda à Ucrânia correm o risco de enviar a mensagem errada, não apenas a Putin ou mesmo a Zelensky, mas também uns aos outros. Embora Putin não tenha os recursos para sustentar a sua guerra contra a Ucrânia indefinidamente, as autoridades estimam que ele poderá fazê-lo durante pelo menos vários anos.

Os diplomatas europeus reconheceram a urgência da ajuda, especialmente porque os EUA também se encontram num impasse. Estão empenhados em contrariar quaisquer argumentos de que a UE não está exercendo a sua influência para apoiar a Ucrânia ou a sua própria segurança.

Mas, em última análise, não pode competir com os EUA quando se trata de dinheiro. Se os EUA retivessem fundos até janeiro ou fevereiro “seria catastrófico, tanto política como militarmente”, segundo Kori Schake, diretor de política externa e de defesa do American Enterprise Institute.

“Se perdermos a coragem, todos os outros também perderão”, disse Schake.

© 2023 Bloomberg L.P.