Milei nomeia ex-presidente do Banco Central para “desregulamentar” a Argentina

Federico Sturzenegger liderará um novo Ministério de Desregulamentação e Transformação Estatal, com o objetivo de reduzir ainda mais o tamanho do governo nacional

Bloomberg

Federico Sturzenegger fala durante uma entrevista em Buenos Aires em 28 de dezembro de 2023 (Pablo E. Piovano/Bloomberg)
Federico Sturzenegger fala durante uma entrevista em Buenos Aires em 28 de dezembro de 2023 (Pablo E. Piovano/Bloomberg)

Publicidade

O presidente Javier Milei nomeou oficialmente o ex-presidente do Banco Central argentino, Federico Sturzenegger, para reformular completamente o governo, após meses de rumores sobre a chegada do assessor ao gabinete.

Sturzenegger, de 58 anos, liderará um novo Ministério de Desregulamentação e Transformação Estatal, com o objetivo expresso de reduzir ainda mais o tamanho do governo nacional e eliminar burocracias. A designação foi anunciada formalmente no Diário Oficial logo após a meia-noite de sexta-feira (5).

O novo ministro foi o principal arquiteto por trás do projeto original de reformas estruturais de Milei, que foi aprovado pelo Congresso na semana passada após seis meses de negociações que enfraqueceram significativamente a legislação. Em seu novo cargo, ele será responsável pela otimização e modernização da Argentina, visando reduzir os gastos públicos e tornar a administração mais eficiente, de acordo com o diário oficial.

Continua depois da publicidade

Esta é a terceira vez que Sturzenegger ocupa um cargo importante no governo. Ele ocupou seu primeiro cargo público em 2001, quando teve uma breve passagem como secretário de política econômica do ex-presidente Fernando de la Rua. Ele retornou de 2015 a 2018 para liderar o Banco Central durante o governo do ex-presidente Mauricio Macri. Ele possui um doutorado em economia pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês).

O novo cargo de Sturzenegger gerou rumores sobre o destino do ministro da Economia, Luis Caputo, devido às tensões entre os dois durante a crise financeira de 2018 no governo de Macri, quando Caputo era secretário de Finanças e Sturzenegger liderava a autoridade monetária. Sturzenegger disse que sua credibilidade havia se deteriorado antes de renunciar durante uma desvalorização do peso na época, e Macri o substituiu por Caputo, que durou apenas alguns meses no cargo.

Desde que se juntaram ao governo de Milei, ambos os homens têm elogiado um ao outro.

Continua depois da publicidade

“Somos completamente compatíveis, ele faz algo fundamental para o país e faz isso melhor do que ninguém”, disse Caputo a repórteres na semana passada durante uma coletiva de imprensa, quando questionado sobre a chegada de Sturzenegger. “A Argentina é uma bagunça de obstáculos e, como estamos pensando a longo prazo, o aspecto mais fundamental é desfazer tudo isso.”

© 2024 Bloomberg L.P.