Kremlin afirma que apoiadores de Kiev enfrentarão consequências

Ameaça ocorre após o presidente russo, Vladimir Putin, dizer que considera armar inimigos do Ocidente como retaliação

Reuters

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em reunião com Vladimir Putin - 9/5/2024 (Foto: Alexei Maishev/Sputinik via Reuters)

Publicidade

O Kremlin disse nesta quinta-feira (06) que as nações ocidentais que fornecerem armas à Ucrânia para atacar diretamente o território russo definitivamente enfrentarão consequências, depois que o presidente Vladimir Putin afirmou que estava considerando armar os inimigos do Ocidente em retaliação.

Em entrevista a editores seniores de agências de notícias internacionais em São Petersburgo na quarta-feira, o líder russo disse que Moscou estava pensando em fornecer armas avançadas de longo alcance – de natureza semelhante às que o Ocidente está dando à Ucrânia – aos adversários do Ocidente em todo o mundo.

Em seus comentários, Putin mencionou os mísseis de longo alcance que estão sendo fornecidos à Ucrânia pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido, dando a entender que ele poderia passar a armar as forças que lutam contra seus interesses no exterior.

Continua depois da publicidade

“Estamos pensando que, se alguém acha que é possível fornecer tais armas para uma zona de guerra a fim de atacar nosso território e criar problemas para nós, então por que não temos o direito de fornecer nossas armas da mesma classe para as regiões do mundo onde haverá ataques a instalações sensíveis dos países que estão fazendo isso com a Rússia?”, disse Putin.

“Portanto, a resposta poderia ser simétrica. Vamos pensar sobre isso.”

Os comentários de Putin levantaram a possibilidade de Moscou fornecer mísseis de longo alcance a grupos que se opõem aos interesses dos EUA e do Reino Unido em áreas de tensão como o Oriente Médio.

Continua depois da publicidade

Quando perguntado na quinta-feira se o Kremlin indicaria países ou regiões para os quais a Rússia poderia fornecer armas dessa forma, o porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, declarou:

“É claro que não. O presidente disse exatamente o que queria dizer, e é uma declaração muito importante e muito transparente de que o fornecimento de armas que serão disparadas contra nós não pode ficar sem consequências, e essas consequências certamente virão”.

O presidente norte-americano, Joe Biden, autorizou Kiev a lançar algumas armas fornecidas pelos EUA em alvos militares dentro da Rússia, disseram fontes à Reuters no mês passado. Washington ainda proíbe Kiev de atacar a Rússia com ATACMS, que tem um alcance de até 300 km, e outras armas de longo alcance fornecidas pelos EUA.

Continua depois da publicidade

O secretário britânico de Relações Exteriores, David Cameron, durante uma visita a Kiev em 3 de maio, afirmou à Reuters que a Ucrânia tinha o direito de usar as armas fornecidas pelo Reino Unido para atingir alvos dentro da Rússia, e que cabia a Kiev decidir se o faria.

Dmitry Medvedev, vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia e ex-presidente, elaborou na quinta-feira sobre o que Moscou estava considerando, dizendo que as palavras de Putin representavam “uma mudança muito significativa” na política externa russa.

“Que os EUA e seus aliados sintam agora o uso direto de armas russas por terceiros. Essas pessoas ou regiões não são intencionalmente nomeadas, mas podem ser qualquer pessoa que considere o Pindostan (palavra russa depreciativa para os Estados Unidos) e seus camaradas como seus inimigos”, escreveu Medvedev em seu canal oficial do Telegram.

Continua depois da publicidade

“Independentemente de suas crenças políticas e reconhecimento internacional. Seu inimigo são os EUA, portanto, eles são nossos amigos.”

Ele falou sobre o que chamou de “instalações sensíveis” pertencentes aos EUA e seus aliados que foram incendiadas após serem atingidas por mísseis russos disparados por “terceiros”.

“E nós nos alegraremos com seus ataques bem-sucedidos com nossas armas contra nossos inimigos comuns!”, disse Medvedev.