Italiana Meloni e francesa Le Pen serão melhores amigas da direita?

Vitória de Le Pen pode ser um problema para líder italiana. mas também uma oportunidade

Bloomberg

Publicidade

Poucas pessoas fora da França estão prestando mais atenção à sua eleição do que a primeira-ministra italiana Giorgia Meloni — e qualquer um que presuma que ela e a líder do Rally Nacional, Marine Le Pen, encontrariam um ponto em comum como populistas de direita estaria errado.

Na verdade, pessoas familiarizadas com o pensamento de Meloni dizem que ela está agudamente consciente de que, se o partido de Le Pen prevalecer em 7 de julho — mesmo com uma maioria absoluta no parlamento — eles seriam aliados inquietos, na melhor das hipóteses.

A francesa representa um desafio ao status atual da italiana como porta-estandarte e queridinha de uma nova marca de conservadorismo tentando se impor por toda a União Europeia.

Continua depois da publicidade

Baixe uma lista de  10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Ambas as mulheres compartilham a característica de querer se livrar da bagagem de extrema direita, enquanto mantêm visões opostas sobre a Rússia e questões sociais específicas como o aborto — posições que não são tão fáceis de conciliar.

Meloni também se inclinou para o centro, assim como a Europa se inclinou para a direita. Ela e o presidente francês Emmanuel Macron encontraram uma maneira até recentemente de tolerar — ou mesmo respeitar relutantemente — um ao outro.

Continua depois da publicidade

Meloni parabenizou Le Pen por vencer o primeiro turno da eleição no último domingo. Mas em particular ela está apreensiva, de acordo com pessoas falando sob condição de anonimato porque as discussões sobre o assunto são privadas. 

França e Itália

Ela é a primeira primeira-ministra mulher da Itália e conseguiu flanquear uma série de rivais homens — entre eles Matteo Salvini, que era e continua próximo de Le Pen. Meloni está ansiosa que o líder da Liga, um parceiro júnior em seu governo que fez uma jogada em seu trabalho, possa explorar essa conexão para promover sua própria ambição.

Ele e Le Pen compartilham uma história controversa de protestos contra migrantes. 

Continua depois da publicidade

Meloni também critica a simpatia do chefe do Rally Nacional em relação à Rússia — outra causa comum com Salvini — o que lhe dá ainda menos incentivo para se aliar a eles enquanto tenta posicionar seu partido mais próximo da corrente principal da Europa.

O cenário francês é uma distração indesejada, disseram as pessoas, observando que a prioridade de Meloni por enquanto é conquistar uma cadeira sênior na Comissão Europeia — provavelmente para seu aliado Raffaele Fitto, de acordo com a maioria das autoridades — enquanto contém as demandas de Bruxelas para restringir as finanças públicas da Itália.

Apesar de sua vitória nas eleições da UE em junho, a premiê foi excluída das negociações para nomear os principais cargos do bloco.

Continua depois da publicidade

O foco de Meloni na França aponta para como os eventos lá estão se mostrando críticos para o cenário político da Europa. Além do escrutínio do mercado provocado pela perspectiva de agitação, a sensação de que as placas tectônicas podem estar começando a se mover está sendo sentida em capitais de Roma a Bruxelas. 

Vitória de Le Pen: problema ou oportunidade para Meloni?

“Uma vitória de Le Pen pode ser um problema para Meloni, mas também uma oportunidade — movendo o eixo político europeu mais para a direita, tornando Meloni ainda mais um pivô entre moderados e populistas”, disse Giovanni Orsina, chefe do departamento de política da universidade LUISS em Roma. “Meloni está, como qualquer outra pessoa, neste vórtice. Grandes mudanças são possíveis, e grandes recompensas — mas os riscos também estão se aproximando.”

A eleição para a Assembleia Nacional no domingo pode apenas ver Le Pen se aproximando do poder em vez de realmente conquistá-lo. Seu partido deve ficar bem aquém da maioria absoluta, de acordo com projeções da empresa de pesquisas Elabe para a BFM TV e La Tribune Dimanche. Isso pode abrir caminho para Macron forjar um governo minoritário com partidos mais próximos do seu no espectro político.

Continua depois da publicidade

Mesmo assim, Meloni — cujos instintos naturais são não confiar em ninguém — disse a confidentes que está preocupada com a potencial vitória de Le Pen, de acordo com uma pessoa com conhecimento das interações. Um aliado de longa data alertou que a francesa ainda estaria a pelo menos uma eleição de assumir o poder como presidente, equiparando-se ao status governamental da italiana, em uma eleição marcada para ocorrer em 2027. 

Internamente, a preocupação mais urgente de Meloni é a perspectiva de que o perfil aprimorado de Le Pen possa estimular Salvini a ser mais assertivo, embora a votação europeia do mês passado não tenha melhorado sua parcela de apoio em comparação com a eleição nacional italiana de 2022, disseram as pessoas. 

Salvini já foi visto como a estrela em ascensão na direita italiana, mas foi amplamente eclipsado por Meloni por enquanto. Ele tentou mudar isso ao se defender como um interlocutor do candidato presidencial Donald Trump, até mesmo anunciando planos de visitar os EUA antes da eleição em novembro. 

Esse é um ponto fraco para Meloni, que — apesar de apoiar Trump no passado — adotou a ortodoxia na política externa e se insinuou com líderes ocidentais, incluindo seu rival para o cargo, Joe Biden. Uma vitória de Trump em novembro também parece pronta para causar ainda mais tumultos — e encorajar ainda mais o aliado de Le Pen, Salvini, se ele for bem-sucedido em cortejar o candidato dos EUA.

Enquanto isso, no cenário europeu, a perspectiva de uma vitória de Le Pen provavelmente augura perspectivas mistas para Meloni. Uma vantagem é que isso enfraqueceria Macron, a quem ela acusou de manipular o processo de seleção para os principais cargos da Europa em Bruxelas.

Mesmo assim, Meloni também se encontra mais isolada do que antes. Ela acaba de perder um aliado de longa data, o ex-primeiro-ministro do Reino Unido Rishi Sunak, cujas visões sobre imigração ela defendia, e é uma espectadora de um grande rearranjo de alianças no Parlamento Europeu com o grupo ECR, atualmente o terceiro maior, possivelmente suplantado pelos Patriots de Viktor Orban, aos quais se juntou na sexta-feira o Vox da Espanha.

Dívida

A dimensão europeia é ainda mais complicada pela dívida gigantesca da Itália. O país agora está sujeito a um chamado procedimento de infração que começou no mês passado porque seu déficit orçamentário excede o limite de 3% da UE. 

Itália e França compartilham pontos em comum na condução desses procedimentos, com as autoridades romanas tradicionalmente calibrando o déficit um pouco abaixo do da França para evitar serem destacadas, disseram as pessoas.

Não importa quais pontos em comum eles possam compartilhar, a ascensão de Le Pen continua sendo uma ameaça de longa data à posição de Meloni como um dos políticos mais dinâmicos do bloco, observaram as pessoas.

O sucesso eleitoral de Le Pen “também abriria uma disputa pela posição de líder da direita europeia, onde Meloni tem sido até agora o primeiro entre iguais”, observou Orsina, da universidade LUISS. “Há muitas similaridades entre os dois líderes. Mas quando há muita similaridade, também há competição.”

© 2024 Bloomberg LP