Israel intensifica bombardeio em Gaza após morte de vice-líder do Hamas

Este é mais um sinal de que a guerra de quase três meses entre Israel e o Hamas está se espalhando pela região

Reuters

Cidadãos palestinos inspecionam danos às suas casas causados por ataques aéreos israelenses em 8 de outubro de 2023 na Cidade de Gaza, Gaza. Depois do ataque lançado ontem pelo Hamas contra Israel, que os surpreendeu, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, pediu aos palestinianos que abandonassem Gaza e avisou que o exército transformaria as posições do Hamas “em escombros” (Ahmad Hasaballah/Getty Images)

Publicidade

BEIRUTE/CAIRO/GAZA (Reuters) – As forças israelenses intensificaram os bombardeios na Faixa de Gaza nesta quarta-feira e disseram aos civis que deixem um campo de refugiados no norte do enclave palestino depois que a guerra se estendeu ao Líbano com a morte em Beirute do vice-líder do Hamas.

Israel não confirmou nem negou que tenha matado Saleh al-Arouri em um ataque de drone na capital libanesa na terça-feira. Mas o porta-voz militar, contra-almirante Daniel Hagari, disse que as forças israelenses estavam em um alto estado de prontidão e preparadas para qualquer cenário.

O assassinato foi mais um sinal de que a guerra de quase três meses entre Israel e o Hamas está se espalhando pela região, envolvendo a Cisjordânia ocupada, as forças do Hezbollah na fronteira entre Líbano e Israel e até mesmo as rotas marítimas do Mar Vermelho.

Continua depois da publicidade

Arouri, de 57 anos, que morava em Beirute, foi o primeiro líder político sênior do Hamas a ser assassinado desde que Israel iniciou sua ofensiva contra o grupo militante em resposta ao ataque mortal às cidades israelenses em 7 de outubro.

Hossam Badran, membro do politburo do Hamas, afirmou em um elogio a Arouri: “Dizemos à ocupação criminosa (Israel) que a batalha entre nós está aberta.”

Há muito tempo Israel o acusava de orquestrar ataques contra seus cidadãos. Mas uma autoridade do Hamas disse que ele também estava “no centro das negociações” conduzidas pelo Catar e pelo Egito sobre o desenlace da guerra de Gaza e a libertação dos reféns israelenses mantidos pelo Hamas.

O chefe do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, deve fazer um discurso em Beirute na tarde de quarta-feira. Anteriormente, ele havia advertido Israel contra a realização de assassinatos em solo libanês, prometendo uma “reação severa”.

O Hezbollah, fortemente armado e aliado do Hamas, tem trocado disparos quase diariamente com Israel através da fronteira sul do Líbano desde o início da guerra de Gaza. Mais de 100 combatentes do Hezbollah e duas dezenas de civis foram mortos em território libanês, bem como pelo menos nove soldados israelenses em Israel.

Após a morte de Arouri, a missão de manutenção da paz da ONU no Líbano disse que estava profundamente preocupada com a possibilidade de uma escalada “que poderia ter consequências devastadoras para as pessoas de ambos os lados da fronteira”.

CAMPO DE REFUGIADOS SOB FOGO

As Forças Armadas israelenses disseram em seu briefing diário que “batalhas intensas” com militantes continuavam em Gaza na quarta-feira, na cidade de Khan Younis, ao sul.

Moradores e a mídia palestina disseram que as forças israelenses bombardearam o campo de refugiados de Al-Nusseirat, na parte norte do enclave governado pelo Hamas, durante a noite e na quarta-feira, destruindo vários prédios de vários andares.

Os aviões israelenses também lançaram panfletos em Al-Nusseirat ordenando que as pessoas deixem sete distritos.

“Você está em uma área de combate perigosa. As IDF (forças de Israel) estão operando fortemente em sua área de residência. Para sua segurança, as IDF pedem que você saia imediatamente dessa área e saia em direção aos abrigos conhecidos em Deir Al-Balah (oeste)”, diziam os folhetos.

Os aviões e tanques de guerra israelenses também intensificaram os ataques ao campo de refugiados de Al-Bureij.

O braço armado do Hamas afirmou ter matado 10 soldados israelenses em combates em Al-Bureij e atingido cinco tanques e veículos de transporte de tropas. O exército israelense disse que o número de soldados mortos desde a primeira incursão em Gaza, em 20 de outubro, chegou a 177.

No campo de refugiados de Al-Maghazi, as autoridades de saúde disseram que pelo menos quatro pessoas foram mortas em um ataque aéreo israelense a uma casa. Elas disseram que três pessoas também foram mortas em um ataque aéreo a uma casa em Rafah, no sul de Gaza.

Israel diz que tenta evitar danos aos civis. Mas o número total de mortes palestinas registradas chegou a 22.313 nesta quarta-feira, 128 delas nas últimas 24 horas, informou o Ministério da Saúde de Gaza.

A guerra foi desencadeada por um ataque transfronteiriço do Hamas contra cidades israelenses em 7 de outubro, no qual, segundo Israel, 1.200 pessoas foram mortas e cerca de 240 reféns foram levados para Gaza.