Israel bombardeia sul de Gaza após impasse no cessar-fogo

Israelenses se retiraram da mesa de negociação promovida pelo Catar para uma trégua

Equipe InfoMoney

Publicidade

O exército de Israel retomou neste sábado (2) os ataques à Faixa de Gaza, região controlada pelo Hamas. De acordo com relatos da Reuters, aviões israelenses bombardearam o sul de Gaza após as negociações para um prolongamento do cessar-fogo entrarem em um impasse.

O Ministério da Saúde de Gaza disse que pelo menos 193 palestinos foram mortos e 650 feridos desde que a trégua terminou na manhã de sexta-feira -– somando-se aos mais de 15 mil palestinos mortos desde o início da guerra.

Israel prometeu acabar com o Hamas de uma vez por todas, dizendo que o grupo islâmico representa uma ameaça à sua própria existência e está a agir contra um inimigo empenhado na sua destruição.

Continua depois da publicidade

Segundo a Reuters, ao longo da manhã deste sábado, um fluxo constante de feridos foi transportado para o Hospital Nasser em Khan Younis, com algumas pessoas até recebendo tratamento deitadas no chão.

“É uma nova camada de destruição que se soma à destruição massiva e sem paralelo de infraestruturas críticas, de casas e bairros civis”, disse Robert Mardini, chefe da Cruz Vermelha Internacional, à Reuters em Dubai.

Com as condições dentro do enclave governado pelo Hamas chegando ao “ponto de ruptura”, nas palavras de Mardini, os caminhões de primeiros socorros desde o fim da trégua entraram em Gaza pelo lado egípcio da passagem de Rafah neste sábado, disseram fontes da agência junto à segurança egípcia e do Crescente Vermelho.

Local de ataque israelense em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza (REUTERS/Fadi Shana)

Um conselheiro sênior do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que Israel facilitaria o fornecimento de ajuda humanitária aos civis de Gaza à medida que os combates recomeçassem.

Os lados em conflito culparam-se mutuamente pelo colapso da trégua de sete dias, durante a qual o Hamas libertou reféns em troca de prisioneiros palestinianos detidos em prisões israelitas.

Israel disse neste sábado que chamou de volta uma equipe do Mossad do Catar, anfitrião de negociações indiretas com o Hamas, acusando a facção palestina de renegar um acordo que implicava a libertação de todas as crianças e mulheres reféns.

O conflito eclodiu em 7 de outubro, quando militantes do Hamas cruzaram para o sul de Israel e mataram 1.200 pessoas, a maioria civis, num ataque violento contra os kibutzim e outras comunidades. Mais de 200 reféns foram levados de volta para Gaza.

A trégua iniciada em 24 de novembro foi prorrogada duas vezes. Mas depois de sete dias durante os quais mulheres, crianças e reféns estrangeiros foram libertados, bem como vários prisioneiros palestinianos, os mediadores não conseguiram encontrar uma fórmula para libertar mais.

O mediador Catar disse que o novo bombardeio de Israel a Gaza complicou as coisas. Uma autoridade israelense em Washington disse que era uma “prioridade muito alta” libertar o maior número possível de reféns, mas disse: “Podemos negociar enquanto ainda lutamos”.