Hamas liberta 17 reféns no norte de Gaza, em terceiro dia de trocas com Israel

Entre os resgatados estão 13 israelitas, três cidadãos estrangeiros e um indivíduo portador de passaporte russo

Bloomberg

Quatro soldados israelenses atrás de arame farpado perto da vila palestina de Bil'in, na Cisjordânia (Foto: Getty Images)

Publicidade

Bloomberg – Um total de 17 pessoas foram libertadas pelo Hamas no domingo, no terceiro dia de libertação de reféns planejada sob um cessar-fogo temporário com Israel, enquanto o trabalho continua para estender a pausa nos combates para além dos quatro dias iniciais.

Os indivíduos entregues aos cuidados da Cruz Vermelha incluíam 13 israelitas, três cidadãos estrangeiros e um indivíduo portador de passaporte russo, em troca de 39 prisioneiros palestinianos, disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Catar, Majed Al-Ansari. Ao contrário das duas noites anteriores, os reféns foram libertados na parte norte da Faixa de Gaza.

Os estrangeiros eram da Tailândia, segundo o Catar. Anteriormente, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse que tinha “motivos para acreditar” que pelo menos um cidadão americano estaria entre os libertados.

Continua depois da publicidade

As conversações continuam para prolongar o cessar-fogo de quatro dias, à medida que mais caminhões de ajuda humanitária se dirigem para Gaza no domingo, incluindo áreas do norte.

“Estamos fazendo todos os esforços para resgatar os nossos reféns e iremos devolvê-los a todos”, disse o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, num comunicado.

O gabinete do primeiro-ministro disse, anteriormente, ter recebido uma lista de nomes de sequestrados que o Hamas deveria entregar no domingo. O grupo militante palestino que governa Gaza libertou um total de 26 israelenses, alguns com dupla nacionalidade, bem como 14 cidadãos tailandeses e um cidadão filipino na sexta e no sábado.

As libertações feitas em várias etapas são fundamentais para um acordo mediado pelo Catar e pelo Egito, que trouxe uma pausa nos combates na guerra de mais de seis semanas e permitiu o fluxo de mais ajuda humanitária para a Gaza sitiada.

Separadamente, no domingo, o Hamas disse que libertaria um refém israelense-russo “em resposta aos esforços do presidente Vladimir Putin e em agradecimento à posição russa em apoio à causa palestina”. Esse indivíduo parece ter sido contado entre os 14 detidos israelenses.

Lolwah Al-Khater, ministro de estado para a cooperação internacional do Catar, disse à TV Al-Jazeera que o trabalho continua a nível político para prolongar a atual trégua, que está programada para durar quatro dias.

Um atraso de horas nas libertações de sábado, atribuído pelo Hamas a Israel, ressaltou a instabilidade da trégua de curto prazo. O Hamas é designado pelos EUA e pela União Europeia como um grupo terrorista. Os militantes infiltraram-se em Israel em 7 de outubro, matando 1.200 pessoas e sequestrando cerca de 240 outras.

Israel desencadeou o seu poderio militar na pequena e populosa Faixa de Gaza desde o ataque. Pelo menos 15 mil pessoas foram mortas, segundo o ministério da saúde administrado pelo Hamas. A trégua de quatro dias depende da libertação de um total de 50 reféns pelo Hamas e da libertação de 150 mulheres e menores detidos nas prisões do país por Israel.

A pausa humanitária em Gaza “manteve-se em grande parte” desde que entrou em vigor na sexta-feira, permitindo às Nações Unidas aumentar a entrega de ajuda crucial dentro e através de Gaza, afirmou o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários numa atualização.

Mesmo assim, a agência disse que muitas pessoas ainda não têm comida – ou combustível para cozinhar – e as padarias não estão funcionando, levantando preocupações sobre a nutrição, especialmente no norte de Gaza, o foco da ofensiva terrestre de Israel. Também informou que as forças israelitas prenderam alguns palestinios que viajavam ao longo do “corredor” seguro designado por Israel, de norte a sul do território.

As forças de defesa de Israel alertaram no domingo que os civis em Gaza estão proibidos de entrar no mar ou de se aproximarem a menos de 1 quilômetro da fronteira com Israel.

O Ministério da Defesa disse que o exército de Israel apreendeu cerca de 5 milhões de shekels (US$ 1,3 milhões) do Hamas, durante a invasão terrestre. As moedas do Iraque, da Jordânia e dos EUA foram encontradas principalmente em redutos do Hamas e nas casas de suspeitos.

Pelo menos sete palestinos foram mortos num ataque com mísseis das forças israelenses na Cisjordânia ocupada, informou a estação de rádio Voz da Palestina. O exército de Israel não comentou os acontecimentos. Separadamente, mísseis israelitas atingiram o aeroporto internacional da Síria em Damasco, deixando-o fora de serviço, informou a agência de notícias estatal SANA.

O presidente dos EUA, Joe Biden, que disse que o primeiro dia de libertação de reféns “correu bem”, deverá falar com Netanyahu no domingo. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, deverá visitar Israel esta semana, a quarta visita desde 7 de outubro, segundo a mídia local.

O ministro do Catar, que visitou a fronteira de Rafah no domingo, disse que o ritmo da ajuda à faixa ainda não é suficiente para atender ao nível de necessidade. Mahmoud al-Mordawi, um alto funcionário do Hamas em Beirute, diz que 300 caminhões deveriam entrar no norte de Gaza no domingo e na segunda-feira para compensar a escassez nos últimos dias.