Governo Biden amplia a faixa salarial para o pagamento de horas extras

Calcula-se que a medida deve favorecer cerca de 4 milhões de trabalhadores nos Estados Unidos; a partir de 2025, quem ganha US$ 58.600 anuais vai receber hora extra se jornada semanal passar de 40 horas

Equipe InfoMoney

Trabalhadores em armazém em Newell, West Virginia, nos  EUA (Luke Sharrett/Bloomberg)
Trabalhadores em armazém em Newell, West Virginia, nos EUA (Luke Sharrett/Bloomberg)

Publicidade

A administração do presidente Joe Biden ampliou nesta terça-feira (23) o limite salarial para o pagamento obrigatório de horas extraordinárias, numa medida que deve favorecer cerca de 4 milhões de trabalhadores nos Estados Unidos. Ele será aplicado quando a jornada de trabalho exceder as 40 horas em uma semana.

Além disso, a regra ajustará o limite para funcionários altamente remunerados.

Segundo informou hoje o Departamento do Trabalho, o aumento do limite será reajustado duas vezes. A primeiro será partir de 1º de julho de 2024, quando vai passar dos atuais US$ 35.568 anuais para US$ 43.888. Em 1º de janeiro de 2025, vai passar para US$ 58.600 por ano, ou US$ 1.128 por semana.

Continua depois da publicidade

A partir de 1º de julho de 2027, os limites salariais serão atualizados a cada três anos, aplicando dados atualizados para determinar novos níveis salariais.

Segundo a secretária interina Julie Su, essa regra vai restaurar a promessa aos trabalhadores de que, quem trabalhar mais de 40 horas em uma semana, deve receber mais por esse tempo.

“Muitas vezes, os trabalhadores com salários mais baixos estão fazendo o mesmo trabalho que seus colegas por hora, mas estão passando mais tempo longe de suas famílias sem nenhum pagamento adicional. Isso é inaceitável. O governo Biden-Harris está cumprindo a promessa de elevar o nível dos trabalhadores que ajudam a estabelecer as bases para nossa prosperidade econômica”, disse em nota.