Ex-presidente do Chile Sebastián Piñera morre em acidente de helicóptero

Piñera foi presidente do Chile por dois mandatos, de 2010 a 2014 e de 2018 a 2022; além de político, era um empresário de sucesso, com investimentos nos mais variados ramos de atividade econômica

Roberto de Lira

O ex-presidente do Chile Sebastián Piñera (Daniel Leal-Olivas/Pool via Reuters)

Publicidade

O ex-presidente Sebastián Piñera, político de centro-direita que exerceu dois mandatos como presidente do Chile (2010-2014 e 2018-2022) morreu em um acidente de helicóptero nesta terça-feira (6) no sul do país.

A informação foi confirmada pela assessoria do empresário e político. “É com profundo pesar que anunciamos a morte do ex-presidente da República do Chile Sebastián Piñera Echenique”, afirmou o gabinete do ex-governante em comunicado. “Na tarde desta terça-feira, 6 de fevereiro de 2024, o ex-presidente sofreu um acidente aéreo na região de Los Ríos”, acrescentou.

Fontes governamentais citadas pelo jornal La Tercera disseram que quatro pessoas viajavam no helicóptero quando ele caiu, e que três foram “encontradas pelos socorristas”.

Continua depois da publicidade

A agência nacional de desastres do Chile confirmou que ocorreu um acidente de helicóptero na cidade de Lago Ranco, no sul, e que uma pessoa morreu e três ficaram feridas. O órgão não revelou imediatamente quem estava a bordo.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva expressou suas condolências em uma mensagem na plataforma de rede social X. “Surpreso e triste com a morte de Sebastián Piñera, ex-presidente do Chile. Convivemos, trabalhamos pelo fortalecimento da relação dos nossos países e sempre tivemos um bom diálogo, quando ambos éramos presidentes, e também quando não éramos. Muito triste seu falecimento de forma tão abrupta. Meus sentimentos aos seus familiares e amigos de Piñera por esta perda”, afirmou.

Família tradicional

Segundo sua biografia no site da Biblioteca do Congresso do Chile, Sebastian Piñera nasceu em 1949 e pertencia a uma tradicional família chilena. Filho de José Piñera Carvallo, um militante do Partido Democrata Cristão que foi embaixador na Bélgica e na ONU entre os anos 1960 e 1970, e ministro no governo do Presidente Eduardo Frei Montalva, ele também era sobrinho do monsenhor Bernardino Piñera, que chegou a presidir a Conferência Episcopal do Chile entre 1984 e 1987.

O ex-presidente do Chile estudou em Bruxelas quando seu pai era diplomata e se formou em Economia na Pontifícia Universidade Católica do Chile. Piñera fez sua pós-graduação em Harvard, tendo obtido o doutorado com uma tese sobre a economia da educação em países em desenvolvimento.

Piñera lecionou sobre política econômica e foi consultor do Banco Mundial e do BID, tendo trabalhado também na Cepal.

Empresário de sucesso

A partir de 1977, começou uma carreira de sucesso na inciativa privada, passando por assessoria financeira, avaliação de projetos e na área de construção, chegando ao cargo de gerente geral do Citicorp Chile. Em 1979, ajudou a criar o Bancard S.A. que possuía a maior emissora de cartões de crédito do país.

Suas empresas passaram a diversificar investimentos, com participações na área imobiliária, editorial, turismo, shoppings, fármacos, Correios e até a representação da Apple no país. Em 1994, ele ingressou no negócio aéreo ao comprar 16% da companhia aérea Lan Chile, hoje Latam. Projetos de mineração também estavam entre seus ativos.

Em 2005, comprou o canal de televisão ChileVisión e se integrou como acionista da controladora do Colo Colo, o clube de futebol mais popular do país – embora fosse um notório torcedor da rival Universidad Catolica.

Quando assumiu a presidência do Chile pela primeira vez, em 2010, ele se desfez desses negócios por causa de conflitos de interesse apontados duramente por seus opositores durante sua campanha e início de mandato.

Durante seu primeiro mandato, o Chile experimentou um crescimento anual próximo de 5,3%, gerando mais de 1 milhão de novos empregos. Ele também incentivou a redução de desigualdades de gênero, implementando um subsídio para a contratação de mulheres, gerando mais de 576 mil empregos durante o período.

(Com Reuters)

Tópicos relacionados